sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

O mundo feminino de Graça Antunes

A galeria de arte da Universidade Católica de Pelotas iniciou suas exposições de 2009, há uma semana, com uma série de 15 quadros de Maria da Graça Jardim Antunes, artista múltipla, que há quase trinta anos se dedica à criação, docência e divulgação da pintura, desenho, gravura, cerâmica e escultura.

Sob o título “Mundo Meu”, Graça Antunes apresenta suas já clássicas mulheres gordas e aspectos desse mundo, intensamente feminino, sensual e apaixonado, mas também com ação, decisão e evolução.

Na época em que Graça teve o último de seus quatro filhos, ao redor de 1980, ela pintava grávidas, mas foram diversificando-se, sem perder os grandes volumes: passaram a ser mães-moradas, moças-enamoradas, geradoras de vida, robustas, sedutoras.

Vestidas ou seminuas, delas brotam cores, emoções, gestos, amores, sensualidade. Mulheres que despertam paixão, que sabem o que sentem e que agem de acordo. "No mundo da lua" (em detalhe, acima) mostra uma dessas ousadias: subir por uma imensa escada e construir na imaginação o mundo interno - acolhedor e natural.

As quatro estações têm um magnetismo que nos faz ficar olhar detidamente cada figura. Em "Inverno" (esq.) as roupagens são sugestivas, com seus volumes e texturas. A postura da personagem, os galhos das árvores, o lago congelado, tudo nos faz sentir o ar frio, e nos leva a um recolhimento físico.

O "Vilarejo do sonhos" (esq.) é outra versão, mais aterrissada, dessa atitude sonhadora e realista ao mesmo tempo, que busca a paz e a felicidade. Lá está a escada, em busca da lua. As casas se reúnem para sonhar juntas, sugerindo o inconsciente coletivo.

Tomei as fotos com flash, mas a luminosidade que se vê num canto das figuras é causada pelas lâmpadas da galeria, focadas de cima ao acaso, alterando a percepção correta dos quadros.

Há dois anos, uma reportagem destacou o trabalho de Graça em faiança, um tipo de cerâmica branca (abaixo, foto na contracapa do Diário Popular). Ela faz trabalhos por encomenda, como namorados, papais-noéis, bonecos de profissões. Mas são as gordinhas que inundam seu ateliê, no shopping Zona Norte. Atualmente, Graça Antunes é presidente do MAPP (Movimento dos Artistas Plásticos de Pelotas), associação criada em junho de 2000.

“Mundo Meu” fica até 12 de março na UCPel. A galeria, que renova expositores quinzenalmente, pode ser visitada, das 8h às 22h, no campus I, com entrada pela Gonçalves Chaves e pela Dom Pedro II.
Fotos de F. A. Vidal e site do DP.

2 comentários:

teresinha brandão disse...

Bonitas pinturas! Realmente é um universo feminino às avessas de "Gisele Bünchen" (assim?)... As gordinhas _ como eu! _ também têm seus encantos, eh, eh!
A obra desta artista, pelo que expuseste aqui,capta a sensualidade de um corpo feminino "aconchegante e acolhedor", que exala um "aroma" "quente" ... E isso, como bem mencionaste, com uma mescla de traços marcantes, firmes. Um pouco "maternal" e, talvez por isso mesmo, um pouco "sensual" ...
Tantas aspas e reticências por certo sugerem o quanto é difícil tentar descrever o que "sentimos" ("efeitos de sentido"?) quando apreciamos uma obra de arte.
Bj! Tê!

Francisco Antônio Vidal disse...

De acordo. Mesmo as fotos não transmitem tudo o que a pintura contém, mas complementam bem as insuficientes palavras. Conclusão: é preciso ir vê-los. Ou quem sabe até comprá-los.
Todos estão à venda, entre R$ 160 e 320.