sábado, 14 de março de 2009

Cidade de sombras

LONGE DE VOCÊ - Vítor Ramil, 2004.

Tô vivendo em outra dimensão, longe de você,
Habitando o fundo de um vulcão que eu domestiquei.
Todo dia deixo o sol entrar, mas a luz não vem.
A janela em mim é tão brutal, causa esse desdém.

Meu relógio, em outra dimensão, corre de você.
Solto o pensamento num tufão, finjo que bem sei.
Todo dia o dia quer passar, mas o fim não vem.
A espera é sempre tão brutal, tudo se mantém.

Acredito em outra dimensão, longe de você.
Lava, fogo, cinza, solidão, já me acostumei.
Todo dia posso te encontrar, mas você não vem.
O deserto em volta é tão brutal, sempre te detém.

Imagens de Paulo Momento, 2007 (baixista e DJ pelotense).

4 comentários:

tecersentidos disse...

Umidade, vento, ferrugem, abandono, ruínas, carcaças, vazio, cinzas, restos,solidão, ... Teria tudo para ser feia ... Satolep ... Mas a beleza da música e das imagens do vídeo pode ser uma versão diferente de uma beleza ainda não descoberta... ! Se eu ainda for ao "Big", Francisco, e descobrir algo de belo, não será sinal de "derrotismo" da minha parte mas de "vitória" da tua!Eh, eh!
Parabéns pela escolha do vídeo! Parabéns ao Vítor Ramil, a quem produziu o vídeo e a ti que o postaste!
Ah,sugiro visitarem o youtube. Há um trabalho sobre o livro do Vítor, um Book trailer, produzido pelo pelotense Eduardo Amaro da Silveira, residente em Lisboa. A produção é de lá (hhtp://caududa.planetaclix.pt). Eis o link do youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=m3OKM4Q18V4
Bj, Francisco!Tê!

Francisco Antônio Vidal disse...

Obrigado pela dica, Teresinha.
Quanto a esta música do CD Longes, pode-se especular que se refere a Pelotas, por ter sido feita na época em que Vítor preparava o livro "Satolep". Mas creio que fala de algo mais abstrato, que fica indefinido na letra (no site dele há diferenças de palavras).
O vídeo usa essa hipótese, incorporando os conceitos do Ramil sobre Satolep (o livro só foi sair em 2008).
A letra tem uma incrível regularidade nas rimas, e na repetição de palavras (por ex., na 1ª linha: dimensão - você; na 3ª, todo dia - não vem). A estrutura é em quadrinhas A-B-A-B-A-B, que eu aqui agrupei, fazendo aparecer as rimas como internas.

manu disse...

Adorei o texto, mas não gostei do video.

Francisco Antônio Vidal disse...

Incorporei o vídeo sugerido por Teresinha ao post sobre Satolep.