quarta-feira, 18 de março de 2009

Uma poetisa que pesquisa

Janaína Cardoso Brum tem 23 anos e acaba de concluir o mestrado em Letras, na UCPel, que começou em março de 2007. Nesse mesmo mês ela criou um blogue literário, que mantém até hoje, à base de um poema que havia escrito, e lhe deu o mesmo nome: Entre a Loucura e a Arte.

A poetisa que pesquisa e cria passou a ocupar o palco da literatura.

Entre a loucura e a arte
Há uma lacuna
Essa lacuna onde vivo
E rasuro paisagens
Desconhecidas e improváveis


Entre a loucura e a arte
Está essa lacuna
Que se confunde
Em vida e papel
Onde penso palavras
E teu nome azul no nada


Entre a loucura e a arte

Eu sou essa lacuna
Espuma
Espalhada em tribos diversas
Vivendo do lápis
Que perfura a Pele
E constrói a sangrenta
Luta do Poeta

Janaína é de Jaguarão, próximos na fonética e na semântica, para usar termos linguísticos. Janaína é "rainha das águas" e Jaguarão ("onça brava") é o rio que separa o Brasil do Uruguai. Janaína cresceu junto às águas dessa cidade prima-irmã de Pelotas, que surgiu como Freguesia também em 1812, mas 5 meses antes de nós.

Em 18 de janeiro de 2009, dedicou um poema à margem de cá, com uma bela foto da ponte (esq.). Veja o texto em Avulsos.

A poesia de Janaína tem também muita vida e sonoridade: vida de sensualidades e sentimentos, e sonoridade de movimentos verbais e viscerais. Seus versos irregulares na métrica e cheios de rimas nos agarram pelo ouvido, pelo pensamento e pelo coração. O blogue ganhou admiradores desde o primeiro momento, mas foi somente há dois meses que os seguidores começaram a inscrever-se para acompanhá-lo (eu fui o primeiro).

Em um post de março de 2007, encontrei um poema sem título que me pareceu inspirado em Pelotas, com a mesma imagem que reproduzo abaixo. Sinta o ritmo e os sons, as sensações e as metáforas.

Na rua traversa,
Disperso o vento,
A chuva não cessa
No meu sonho isento.
Perdão não me peças!
Não quero lamentos!
A ira possessa
Vai no pensamento.
Promessas, promessas,
Aquele tormento.
E logo começas,
E logo eu tento.
Acabo com essas
A custo de intentos...
Mas amanhã...é,
Já é outro dia.

Imagens do blogue.

Um comentário:

tecersentidos disse...

Que linda homenagem à talentosa amiga que temos em comum, Francisco! A Jana é tudo o que descreveste e muita, muita poesia ...! Diga-se de passagem, da melhor qualidade!
A cada poema ... uma revelação!
Parabéns por nos presentear com a boa poesia!
Parabéns à Janinha, sempre tão ... poeta!
Lindo! Bj, Francisco! Tê