domingo, 31 de outubro de 2010

Livro sobre arte portuguesa em Pelotas


A artista pelotense Rejane Botelho idealizou um livro que registra parte do legado português em Pelotas, mediante uma centena de fotografias (todas em cores) de azulejos, esculturas e detalhes arquitetônicos encontrados em nossa cidade. Os objetos são ilustrativos da arte lusitana dos séculos XIX e XX, e representam a influência cultural portuguesa não política, posterior à independência brasileira.

O texto é de autoria da pesquisadora Ana Margarida Portela Domingues (esq.) - natural de Coimbra, 36 anos, doutora em História da Arte - com apoio de seu esposo José Francisco Queiroz, também doutor e especialista em arquitetura portuguesa do século XIX (veja os currículos). Os estudiosos foram contatados por Rejane através da internet e a comunicação deu como resultado este pequeno tratado internacional de história da arte.

A imagem de capa do livro (abaixo) é descrita como um painel de azulejos de alegoria à amizade luso-brasileira; encontra-se na fachada de uma casa em Pelotas. Na Rua Barão de Santa Tecla, proximidades da Avenida Bento Gonçalves, algumas residências apresentam adornos especiais nas fachadas (veja nota).

Duas meninas em fraterno abraço envolvem-se nas bandeiras de cada país. Atrás da portuguesa, vê-se a Torre de Belém, situada em Lisboa, e do outro lado aparece o Pão de Açúcar, símbolo brasileiro. Segundo a pesquisadora portuguesa, o painel foi fabricado em Aveiro ao redor de 1950, mas não lhe parece claro o motivo de que as meninas apareçam identificadas como enfermeiras.

O título do livro é "Fotos contam uma história de Portugal em Pelotas" (Botelho e Portela, 2010). A ficha catalográfica contém dois pequenos erros: o ano de nascimento da primeira autora (que é 1961) e o número de páginas (178).

A obra foi lançada em abril deste ano, ante a comunidade portuguesa em Pelotas. Em julho seguinte, na semana de aniversário da cidade, apresentou-se uma exposição de fotos pertencentes ao livro.

No primeiro dia de autógrafos da Feira do Livro 2010, sábado (30), Rejane (esq.) deu nova divulgação a este material, editado pela UFPel (R$ 30).

Rejane Botelho Portela é pelotense, formada como técnico contábil e artista autodidata. Trabalha como fotógrafa publicitária (veja galeria no Flickr) e dirige o ateliê Agência da Arte. Como pesquisadora, já publicou - além da obra aqui comentada - postais fotográficos de Pelotas (2008), o livro “Detalhes de uma Princesa” (2009) e um Catálogo Fotográfico da cidade de Rio Grande (2010).
Imagens: A. Portela, R. Botelho e F. A. Vidal

4 comentários:

Tear de Sentidos I e II disse...

Muito legal, Francisco!!!! Meus ascendentes!
Se não houver registro, com o tempo, esse material "se perde"... Parabéns à autora!
Bj, Tê!

Francisco Antônio Vidal disse...

Com certeza, a maioria das cidades brasileiras já destruiu a arte e arquitetura antiga. Pelotas é um exemplo de cidade que conserva, dentro do Brasil. Mas não é exemplo de comunidade que estime o patrimônio (só a elite educada é que estuda e valoriza).

ateliê Agência da Arte disse...

Fico grata a todos que apreciaram este trabalho e que sem o respaldo de Ana Margarida e Francisco Queiroz e projeto da PREC- UFPEL, Editora e Gráfica Universitária não teria sido possível sua execução, Rejane Botelho Portela.

Francisco Antônio Vidal disse...

O livro é uma boa contribuição como documento e estímulo a valorizar o patrimônio. Inclui também descrições de uma claraboia, de estuques, gradeamentos e túmulos.