sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Uma orquestra ao ar livre, acalanto que desperta

No dia de fechamento da Feira do Livro, segunda-feira (15), a Banda Musical do Gonzaga deu os acordes de despedida ante os curiosos e românticos que não são afastados pela persistente chuva, pois gostam da liberdade que se sente na Praça Osório e do encontro social que ocorre em torno aos livros. Adultos e crianças, ricos e pobres, saudosistas e futuristas, todas as tribos e todas as artes são representadas neste espaço.
A imagem mostra como duas crianças vivem seu profundo interesse pela música: o mais velho se debruça sobre o cenário e a menorzinha detém suas agitadas brincadeiras, ambos de olhos, ouvidos e pele sensíveis às vibrações de todas as cores imagináveis. Com este acalanto que mantém o espírito desperto e a alma acariciada, eles recordarão esses sons, quando no futuro alguém lhes vier dizer que venham ver a banda passar.
Foto de F. A. Vidal

2 comentários:

Tear de Sentidos I e II disse...

Francisco, tens uma criatividade para títulos: "Acalanto que desperta"! Bonito!
Bj, Tê!

Francisco Antônio Vidal disse...

O paradoxo está em que as crianças se tranquilizam como se fosse uma canção de ninar, mas também se interessam vivamente e sua mente se agita, com a força de trombones, flautins e bateria. É o efeito que fala o Chico Buarque.