sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

São Francisco de Assis, um falso vitral

Em agosto de 2009, as artistas Rita Westendorff e Eneida Martí expuseram algumas telas no Corredor Arte, formando a série “Tempo de Amar” (veja nota).

Rita faz releituras do pintor brasileiro Romero Britto, ao mesmo tempo em que aborda conteúdos originais dela mesma, como foi neste caso o tema do amor, considerado como sentimento e como forma de vida.

São Francisco de Assis é uma tela 50x70cm em tinta acrílica que reúne dois tipos de imitação: do estilo de Britto e da técnica dos vitrais, ambos tipicamente de cores vivas.

O resultado, já em si chamativo, parece mais gracioso quando o espectador percebe que está diante de uma tela coberta de tinta, e não de vidros coloridos. Perde-se com isso a luminosidade de reflexos, que despertaria associações espirituais, mas ganha-se em liberdade de traços.

Os pombos esvoaçando não têm detalhes nítidos, mas o movimento neles sugerido contrasta expressivamente com a figura humana, também de traçado simples, aumentando nesta a aparência de paz e serenidade.

O colorido remete a sentimentos ingênuos, que poderiam ser uma das bases do amor franciscano. Um interessante jogo de símbolos, linhas e cores, conjugando duas homenagens paralelas: à espiritualidade cristã e a um artista sem conteúdo religioso.
Imagem: F. A. Vidal

Vídeo para uma cidade de 200 anos

Um vídeo de promoção turística de Pelotas foi realizado este ano pela In Cena Produtora, para a Prefeitura Municipal, sob o motivo da celebração do bicentenário da Freguesia de São Francisco de Paula. Nos créditos, a direção de Miguel Watanabe e Alberto Alda, produção de Simone Langie, câmera de Felipe Campal, locução Start Studio, edição e finalização de Vladi B. Vargas.

Com dois séculos, a cidade ainda é uma criança com muito por viver e crescer: representando essa ideia, a menina Alice Farias Ávila, de 5 anos, convence com sua simpatia natural (ganhou o Top Mirim em dezembro de 2010; veja nota). Nas imagens aparecem, em breves segundos, as vivências mais fortes dos pelotenses, como uma tarde de vento no Laranjal, o chafariz da Praça Coronel Pedro Osório, uma estrada rural, passeios pela Fenadoce. Belos lugares, belas pessoas, belos projetos por realizar... vale a pena conhecer Pelotas, pois iremos nos apaixonar.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

1º Festival SESC teve música clássica para crianças


O Núcleo de Inclusão Cultural do 1º Festival Internacional SESC (veja a programação) levou música clássica a crianças hospitalizadas em Pelotas (veja notícia). Programado para janeiro próximo, o 2º Festival incluirá ações inclusivas semelhantes, numa escola e num hospital. Dessa forma, os músicos não só se aperfeiçoam tecnicamente mas também sinalizam que a música tem importância para a formação da personalidade e para melhorar a saúde.

Em duas ocasiões (10 e 15 de fevereiro de 2011), um quinteto de sopros formado por professores deste festival tocou uma adaptação - reduzida para flauta, oboé, clarinete, trompa e fagote - de Pedro e o Lobo, original composto em 1936 por Sergei Prokofiev (veja uma sinopse desta versão, desenvolvida atualmente por um quinteto paulista).

As apresentações na Santa Casa e no Hospital São Francisco de Paula atraíram a atenção dos pequenos, de suas mães e dos funcionários presentes, que provavelmente nunca tinham ouvido este tipo de música descritiva. No vídeo abaixo, ouça os primeiros segmentos (sem narração) da partitura original, para orquestra de cordas, sopros e percussão (Início, O Pássaro, O Pato, O Avô).


"Pedro e o Lobo" foi composta na Rússia stalinista, com o fim expresso de ensinar às crianças pré-escolares os instrumentos de uma orquestra. No pós-guerra, Walt Disney uniu o texto e a música num curta-metragem: Peter and the Wolf (1946), com a narração do ator Sterling Holloway. Ouça uma versão brasileira de 1970 com a voz de Roberto Carlos e a Filarmônica de Nova Iorque (abaixo).

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Um Natal solidário pelas ruas

Há onze anos, um grupo de amigos vive um Natal diferente: preparam centenas de viandas, embrulham brinquedos e fazem a festa de pessoas carentes, cantando durante toda a noite de 24 para 25 de dezembro, maquiados e vestidos de elfos, Papai Noel e Mamãe Noel. Uma produção coletiva e voluntária, que contribui a uma melhor humanidade, a partir da experiência de dar e receber amor (abaixo, vídeo de 2010).


Mandalas de Kaká Ferreira

Esta quinta (22) às 20h, o João Gilberto Bar & Champanharia abre uma exposição com uma dúzia de quadros de Kaká Ferreira.
Os trabalhos são mandalas — imagens circulares de conotação energética —, com apoio no material MDF e pinturas à base de tinta acrílica, metais, cristais e pedraria. As obras estarão à venda e ficarão expostas até meados de janeiro.

Segundo matéria do jornalista Carlos Cogoy, as mandalas têm importância simbólica, estética e terapêutica. Ele entrevistou a artista e recolheu a seguinte informação:
— A palavra tibetana "mandala" significa aquilo que circunda o centro. As mandalas são objetos especialmente eficazes, proporcionando harmonia e iluminação a quem contempla. São desenhos sagrados, sendo que no interior forças poderosas estão em movimento. As mandalas têm o poder de reorganizar naturalmente as energias astrais que estão ao seu redor, conforme o padrão simétrico e harmônico de suas formas e cores. As energias contidas numa mandala são regeneradoras, equilibradas e ativadoras. Ela também é uma prática de meditação.
De acordo à reportagem de Cogoy, Kaká Ferreira já expôs este ano no Café Panqueca (Laranjal) e na 11ª mostra Arte Expressão & Identidade. A artista visual também estuda Biodanza na Escola Frater (Porto Alegre) e está atenta a conhecimentos como a cromoterapia e calendário Maia. A interessados ela cria quadros sob encomenda. Informações: 8437.7883

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Luísa Kurtz na Semana Italiana de Montreal

Luísa Kurtz interpreta Caro Nome, no papel de Gilda da ópera Rigoletto, de Giuseppe Verdi. O espetáculo fechou a Semana Italiana de Montréal, no Canadá (veja programação).

O acontecimento cultural durou dez dias (de 5 a 14 agosto), com uma série de espetáculos inspirados na cultura italiana - cinema, teatro, canto, literatura, moda, folclore, esportes, exposição de carros -, em que o fechamento foi a referida ópera, com a participação de diversos solistas líricos e uma orquestra sinfônica, dirigida por Gianluca Martinenghi.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Pinturas de rua


"Arte na rua: uma releitura urbana", vídeo realizado em 2008 por Beatriz Dutra, Carlos Peres, Leonardo Rodrigues, Mariana Moreira e Valter Poetsch, alunos do curso de Tecnologia em Gestão em Turismo (UCPel), para a disciplina de Roteiros Turísticos.

Os grafites espalhados pelo espaço urbano sugerem, por um lado, uma observação sobre o conteúdo artístico-político das obras e, por outro, a construção de um roteiro de passeio pela cidade. A conexão entre arte e turismo é muito antiga, mas se limitava aos museus e espaços fechados, ou a monumentos em praças públicas. Este trabalho não se detém em nenhum desses aspectos por separado, mas propõe uma relação entre ambos: um possível itinerário em que as estações visitadas seriam as obras de graffiti.

Fotos de Valter Poetsch, com edição de Beatriz Dutra. Música de fundo: Fernandinho Beat Box e Marcelo D2. Trabalho vencedor do X Seminário de Turismo e Cultura da UCPel (17-18 set. 2008).

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Ministra conhece a Casa 8 e seus futuros usos

Hoje (14) a Ministra da Cultura, Ana de Hollanda esteve em Pelotas, conheceu o Casarão 8 e o processo de restauração da antiga residência da família Maciel, pertencente à UFPel desde 2006 (veja a notícia).

O reitor Antônio César Borges informou sobre a destinação cultural deste casarão de 130 anos:
  • uma sala de cinema,
  • um auditório,
  • salas de exposição permanente,
  • uma sala de exposição temporária,
  • Museu do Doce,
  • Museu da Antropologia e Arqueologia,
  • espaço para oficinas e ações educativas,
  • local para estudos e pesquisas,
  • laboratório de conservação,
  • área de acolhimento e convivência,
  • setor administrativo.
Em visita a outra futura sede da Universidade, o reitor Borges mostrou à representante do governo federal a antiga Cervejaria Brahma (ainda em ruínas, no bairro do Porto), que sediará o futuro Centro Multicultural do MERCOSUL.

Também pela manhã, a Ministra (veja uma biografia) inaugurou com autoridades municipais, estaduais e federais a restauração da Caixa D'Água da Praça Piratinino de Almeida (veja notícia).
Fotos UFPel

Delicatessen, jazz de exportação

Na próxima quarta (21), o grupo Delicatessen apresenta-se por segunda vez em Pelotas. O quarteto porto-alegrense nasceu em 2005 com o propósito de unir a delicadeza do jazz americano pré-1950 à simplicidade da bossa nova, pós-1950 (veja um histórico no sítio da Branco Produções).

Seu repertório são releituras de clássicos vocais do jazz norte-americano. Os textos escolhidos têm um sentido erótico sutil, mas efetivo na sedução (veja algumas letras). Em cada disco, o grupo acrescenta composições próprias, com letras em português. A voz afinada e sem vibrato de Ana Krüger é amorosamente acompanhada pelo violão de Carlos Badia (pelotense radicado na capital gaúcha), com Nico Bueno no contrabaixo e Mano Gomes na bateria. O grupo tem um verbete na Wikipédia.


Em 2006, o Delicatessen lançou seu primeiro CD (Jazz+Bossa) e se fez conhecido dentro e fora do Brasil. O sucesso levou os músicos gaúchos ao segundo disco em 2008 (My Baby Just Cares for Me). Leia uma crítica de 2008 no sítio de Luis Nassif: Delicatessen, fôlego novo no jazz brasileiro e assista a uma entrevista em 2009.

O produtor Caio Lopes, que os havia trazido a Pelotas na apresentação do primeiro CD, não conseguiu repetir o feito em 2009, pela "paranoia suína" que deixou a cultura parada, na época (leia o comentário dele). Por isso, esta segunda vinda apresenta músicas novas, do futuro disco, Goodnight Kiss. Com o Sete de Abril fechado, a opção do Bar João Gilberto foi a mais próxima à essência do projeto musical do Delicatessen.

No vídeo acima, I love the way you're breaking my heart (M. Drake & L. Alter), do CD Jazz+Bossa. Abaixo, a música Delicatessen (criação de Beto Callage e Carlos Badia), do segundo CD (o que ainda não ouvimos ao vivo em Pelotas).

Saiba mais sobre o grupo no sítio Delicatessen Jazz e ouça mais música no My Space.

POST DATA (março 2012)
Em novembro de 2011, o grupo se apresentou na TV COM de Porto Alegre. Veja um trecho do programa Camarote, com Ana Krüger e o grupo interpretando You turned the tables on me (S. Mitchell & L. Alter).


quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A temível força da Criação, no bairro do Porto

A Paróquia do Porto anunciou há uma semana os nomes dos selecionados para a final do concurso "A beleza da Criação em Pelotas": são 32 concorrentes, totalizando 44 fotos (veja a lista). As imagens estão expostas até sexta (9) no Centro de Integração do MERCOSUL, para que o público escolha sua preferida, a qual receberá um dos primeiros prêmios (o outro será dado pelo júri, no próximo fim de semana).

A comissão julgadora devia escolher 48 trabalhos, mas considerou que muitos não mostravam aspectos naturais (por exemplo, uma foto do templo não serviria para este concurso) nem deixavam em evidência algum traço de Pelotas (nuvens ou árvores poderiam ser de qualquer cidade). O blogue da Igreja do Porto publicou um esclarecimento (leia os comentários).

A imagem acima, de Guilherme T. Schild (publicada em 2010 no blogue De Olho no Tempo), ilustra um aspecto da Criação em nossa cidade: a torre no fundo à direita sugere (aos pelotenses que conhecem a Igreja do Porto) que a força natural se manifesta muito perto dos templos, não para destruí-los como ocorreu com Jerusalém, mas para mostrar a grandeza divina.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

14º Concerto de Natal

Nesta quinta (8), às 20h30min, os pelotenses lotarão a Catedral São Francisco de Paula para assistir ao 14º Concerto de Natal, evento organizado pela UCPel (veja notícia).

Leonardo Oxley Rodrigues regerá mais de 150 vozes, integrantes dos seguintes grupos corais: da UCPel, da Associação Cultural Italiana Pelotense, da Escola Castro Alves, da Escola Louis Braille, da APUFPel, do Centro Português 1° de Dezembro, do CEPERS, do CETRES, do Círculo Operário Pelotense e, ainda: o Coral Artístico Princesa do Sul, o Coral Anglicano Cristo Redentor, o Coral Linguagem de Emoções, o Coral Santo Antônio, o Grupo Musical Alegria de Viver, o Grupo Musical "Alegrai-vos no Senhor" e a Sociedade Canto Coral “Dona Conceição”.

O programa começará com uma coletânea instrumental natalina, com a Orquestra de Câmara de Pelotas. A seguir, as vozes corais em conjunto, alternando-se com solistas, apresentarão melodias tradicionais, a Ave Maria de Schubert, Natal Branco, Jesus Alegria dos Homens, Ave Maria de Engelhart, Noite Feliz, Bom Natal, Natal Todo Dia, e Bate o Sino. Veja abaixo uma gravação amadora de 2009.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Escritor visita seus leitores

Hohlfeld veio a Pelotas como escritor participante do projeto estadual Autor Presente.
O jornalista e político porto-alegrense Antônio Carlos Hohlfeldt esteve em Pelotas há um mês, para participar do projeto pedagógico Autor Presente, da rede estadual do ensino. Nessa atividade, os alunos estudam a obra de um escritor mediante a leitura de seus livros, durante vários meses, e terminam o ano com um encontro pessoal com o autor.

Hohlfeldt visitou a turma do 5º ano da Escola Estadual Doutor Antônio Leivas Leite, no bairro Três Vendas (leia notícia). As crianças, com idades entre dez e 11 anos, haviam lido "O caso do contrabando no Taim", publicado em 1993.

Na história, um policial federal investiga a aterrissagem, na zona entre Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, de um pequeno avião, proveniente do Uruguai, e, com ajuda de funcionários da Estação Ecológica do Taim, descobre que se trata de contrabandistas a serviço de uma joalheria de Porto Alegre.

Noventa exemplares deste romance juvenil estão disponíveis hoje na Estante Virtual, entre 3 e 15 reais.

Para esta pesquisa, os estudantes foram conhecer o Taim e até mesmo alguns deles tiveram seu primeiro contato com a leitura, graças a este método. As tarefas de usar a imaginação na leitura e o sentido prático na pesquisa da realidade integram habilidades da inteligência verbal, emocional e social, o que ajuda a desenvolver mentalidades mais abertas e com sentido crítico.
Foto 1: M. Vasconcellos

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Relançamento de livro sobre Pelotas

Esta terça (6), a partir das 19h, a 6ª edição do livro "História e Tradições da Cidade de Pelotas", de Mario Osorio Magalhães (acima) começa uma caminhada pelo bicentenário da Freguesia de São Francisco de Paula.
Pensado originalmente para acompanhar uma série de imagens de Pelotas, tomadas pelo artista Salomão Scliar, a obra foi lançada em 1979 como simples texto escrito, e foi tendo novas edições (em 1981, 1999, 2003 e 2005), pela boa aceitação do público.
Por primeira vez em 32 anos, e voltando à concepção original, o trabalho inclui fotografias de Pelotas alusivas ao texto, desta vez tomadas por uma equipe: Alexandre Gomes, Daniel Giannechini, Edison Vara, Laureano Bittencourt e Paulo Rossi.
O conteúdo do texto já faz um passeio ao longo dos 200 anos de história de Pelotas, mas em 2012 a obra e seu autor farão um passeio pelo espaço geográfico: 18 das 43 fotos do livro constituem uma exposição que visitará escolas da cidade.
Ao mesmo tempo, Mário Osório Magalhães se encontrará com o público, falando sobre esta Pelotas que ele estudou em detalhe por tantos anos. O objetivo é chegar a 20 mil pessoas em 180 estabelecimentos, mas já se pode calcular que 4 anos serão necessários para fazer tantas exposições em ritmo semanal (ou 4 palestras por semana, durante um ano).
Transcrevo abaixo a página 80, intitulada A crise econômica, com uma foto (que não está no livro) nada turística mas totalmente real, do sucateamento de nosso patrimônio urbano, realizado por nosso próprio povo e nossas próprias autoridades. Ao fundo, o atual BANRISUL (até 1931, Banco Pelotense); em primeiro plano, comércio ambulante, lixo e catadores.

Fundado em 1906, o Banco Pelotense teve 69 agências e filiais por todo o Brasil.
Em 1931, quando ainda ocupava o terceiro lugar no país entre os detentores de maiores depósitos em numerário, foi obrigado a fechar, envolvido numa trama política articulada fora dos limites municipais.
Esse fato, de triste memória, causou verdadeiro abalo na economia do município.
Unindo-se a circunstâncias anteriores, internas e externas - como o ocaso das charqueadas e a crise mundial das primeiras décadas do século -, haveria de se refletir durante muito tempo no desenvolvimento da cidade.

Imagens desta nota:
Paulo Rossi (1), F. A. Vidal (3)

domingo, 4 de dezembro de 2011

Bolaxa, o palhaço que pesquisa


O projeto Boca de Cena entrevistou o ator pesquisador Lóri Nelson, para conhecer seus métodos na arte da cena e sua trajetória com o "Palhaço Bolaxa" (veja nota neste blogue). O artista tem uma agenda repleta de apresentações e participações em congressos de teatro, em diversas cidades gaúchas, do Brasil e em países vizinhos.

O projeto Boca de Cena é uma ação de extensão da UFPel que busca ensinar aos alunos de Teatro o uso comunicacional de mídias digitais, com diversos fins: documentar as ações de teatro em Pelotas, fazer pesquisa transdisciplinar, aplicar novas possibilidades às artes da cena, e divulgar os trabalhos dos cursos de Teatro e Dança.

POST DATA (13-02-12): Veja nota sobre o Palhaço Bolaxa.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Identidade Xavante, o livro do centenário



O livro que registra os 100 anos de existência do Grêmio Esportivo Brasil será apresentado ao público pelotense no sábado 10 de dezembro às 10h30, no Quiosque Nelson Nobre. Como se vê, o número está onipresente, nos horários e até no preço em reais. 100% do lucro com as vendas está destinado a melhorias para o clube, mediante a Associação Cresce, Xavante!, que, como diz o nome, busca o crescimento do clube por todas as vias possíveis.

O Brasil de Pelotas completou 100 anos em 7 de setembro de 2011. A imagem acima permite ver algumas páginas do livro Identidade Xavante. Mais informações sobre o clube no portal do Grêmio Esportivo Brasil.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Recital de formatura de Adrian Borges

O jovem estudante do Conservatório de Música Adrian Borges apresentará seu recital de formatura como Bacharel em Piano, com obras de Bach, Beethoven, Liszt e Prokofiev — esta sexta-feira (2) às 18h, no Salão Milton de Lemos.

Adrian Borges é natural de Jaguarão (RS) e em 2007 ingressou no curso superior de música da UFPel, onde é aluno de piano da Profª Joana Holanda. Já participou de diversas aulas magistrais (masterclasses) e em projetos de extensão do Conservatório, como solista ou como pianista de acompanhamento (veja um exemplo).

Como solista, Adrian já tocou com colegas em concertos coletivos, sendo este seu segundo recital como pianista único (o primeiro foi o Recital de Meio de Curso). É de se destacar que, ainda como estudante, interpretou uma obra para piano preparado: The Perilous Night, de John Cage (escute a peça tocada pelo autor).

Outro fato importante foi ter sido selecionado no Concurso 2010 "Jovens Solistas" da Orquestra de Câmara FUNDARTE (Fundação Municipal de Artes de Montenegro). Adrian foi um dos 15 instrumentistas escolhidos para a temporada 2011, e apresentou-se em 6 de outubro passado (veja a notícia).

O programa do concerto incluiu uma obra orquestral (Serenata em Mi Maior, de Dvorak) e duas atuações de solistas jovens: Fernanda Machado com o Concerto para Violoncelo em Dó menor, de Vivaldi, e Adrian Borges com o Concerto para Piano nº 12 em Lá Maior, de Mozart (no vídeo abaixo, Adrian toca o 1º movimento, Allegro. Veja também o Andante e o Alegretto final). O maestro Antônio Borges Cunha é o regente da Orquestra da FUNDARTE.


terça-feira, 29 de novembro de 2011

A lagoa e seus barcos


Durante o mês de dezembro (de 1 a 22), Luiz Paiva Carapeto expõe fotografias tomadas em 2011 no Laranjal e Colônia Z3, sob o título A lagoa e seus barcos. Imagens parecidas à que ilustra esta nota agora estarão na Galeria de Arte da UCPel, até o Natal.
Este ano, o artista já mostrou seu processo criativo na mostra "Percepções", realizada na sala Chico Madrid, onde esteve a foto acima (leia nota), e na série "Sete Olhares", de fotografias na mesma temática (veja notícia).
Seus trabalhos revelam uma boa composição visual e uma atenção focada na calma aparente, em oposição ao movimento necessário à vida. Em "Alçando voo" (acima), o protagonista sugere um paradoxo existencial, dentro da metáfora da ascensão: para subir de nível, é preciso afastar-se do lugar de origem e buscar o horizonte.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Decolagem desde Pelotas a Rio Grande


Para mostrar a quem nunca tomou um avião em Pelotas, um viajante filmou os dois minutos que dura a saída de um voo à cidade vizinha de Rio Grande, desde a decolagem em direção ao sul até a saída de território pelotense, ao cruzar o São Gonçalo próximo às doquinhas. Veja a Rodoviária no segundo minuto (1:31 - 1:35). No último segundo, vê-se o entroncamento do caminho da balsa, única forma de transpor o São Gonçalo antes da construção da primeira ponte, na década de 1960.

Tudo muito rápido para alguém que deseja conhecer ou reconhecer seus lugares urbanos. A viagem de dez minutos mal deixa apreciar as zonas semirrurais como o Povo Novo e a Quinta. Há 200 anos, quando ainda não havia a Freguesia de São Francisco de Paula, só se podia viajar com tempo bom; em dias de inverno e inundações, era impossível viajar à Vila de Rio Grande.

Um momento de cor na Bento Gonçalves


Este sábado de manhã, Sérgio Maestrini fotografou uma banca de fortes cores na Feira da Avenida Bento Gonçalves. O dia estava brilhante e quente, como se vê pelo contraste entre a penumbra das flores e o exterior iluminado pelo sol alto. Quem não conhece o lugar, deverá acrescentar pela imaginação muitos aromas naturais e uma sinfonia de vendedores, público, carros passando dos dois lados e abelhas pesquisando néctares e pólens.
Foto: Facebook S. Maestrini

domingo, 27 de novembro de 2011

Corredor Arte reafirma seu papel terapêutico

Mostrando que às vezes um mal vem para bem, as diversas formas de terapia - uma das quais é a arte - não só aliviam sintomas mas também ajudam a descobrir novos projetos de vida. A saúde mental se vale das artes plásticas por dois efeitos terapêuticos principais: porque estas obtêm efeitos positivos em quem as aprecia com sensibilidade, e porque a dedicação à atividade artística transforma de modo integral a pessoa que de início se apresentava como doente.

Na primeira quinzena de novembro, o Corredor Arte expôs obras de duas artistas que começaram a pintar em função de problemas de saúde.

Dois anos atrás, Cleusa Maria Rosenhen de Carvalho fraturou o braço e, após o tratamento, o médico indicou-lhe, a modo de recuperação emocional, fazer algum tipo de terapia.

Desde então, ela vem frequentando a aulas de pintura no SENAT. Uma de suas obras (esq.) mostra um cuidado formal dirigido pelo pensamento, um conteúdo temático claro e definido, e uma inspiração na antropologia brasileira.

Cleusa diz que encontrou na arte "uma forma de aprender, de se ocupar e de encontrar os amigos".

Não sabia que iria gostar tanto. A turma é muito boa, fiz amigos lá e não penso em deixar o grupo.

Lisabete Maciel Cardoso sofria de depressão, e há dez anos decidiu começar a pintar, sem professores. Segundo ela, o fato de não ter estudado pintura formalmente é o que mantém sua obra tão pessoal:

Acho que perderia a minha essência, minha alma. Todos estes quadros são exatamente o que eu sinto, são eu mesma, sem nenhuma objeção dos outros.

Assim como a colega de exposição, esta artista autodidata começou a pintar e nunca mais parou. Para Lisabete, a arte é uma verdadeira “válvula de escape”, no sentido de uma ajuda necessária e saudável.

Uma de suas pinturas (dir.) revela que sua mente está menos concentrada nas análises formais e mais ocupada de refletir sobre suas próprias sensações, o que não deixa de ser uma boa técnica terapêutica para enfrentar a dor de modo produtivo.
Imagens: F. A. Vidal

Dona Luciana Reis

Faleceu ontem sábado (26), aos 84 anos, a professora Luciana Araújo Renck Reis, idealizadora e fundadora do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo (MALG). Lecionou e pesquisou sobre História da Arte, criou a pinacoteca do curso de Artes da UFPel, e dirigiu o Museu da Baronesa.

A notícia se difundiu pelas redes virtuais, a partir da meia-noite, e neste domingo o portal da UFPel colocou uma nota especial (leia). O Diário Popular reproduziu o texto, com foto de seu arquivo (veja). O velório se realizou no auditório do Museu, no qual uma das salas de exposições leva há vários anos o nome de Dona Luciana.

O MALG é uma unidade de extensão do Centro de Artes da UFPel e completou 25 anos há poucos dias (foi fundado em 7 de novembro de 1986). Uma exposição comemorativa - Jubileu de Prata do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo - será inaugurada justamente esta semana, e poderá ser dedicada à memória da estimada professora.

Com abertura em 27 de janeiro de 2010, a mostra Cartas e Pinturas de Leopoldo Gotuzzo - 1915-1955 recordou os 23 anos do MALG. Na ocasião, a professora doou ao acervo do Museu um retrato dela, executado a carvão pelo próprio Leopoldo Gotuzzo (veja nota). A foto foi tomada por Rejane Botelho, da Agência da Arte.

A Exposição dos 25 anos do MALG, citada acima, tem vernissagem esta quarta (30) às 19h e ficará aberta à visitação desde 1 de dezembro até 25 de março, de terça a domingo (inclusive feriados), das 10 às 19h.
Foto: R. Botelho

domingo, 20 de novembro de 2011

Parkour Roulant: atletismo sobre rodas



Na Dom Joaquim, no centro ou na periferia, Pelotas ainda é uma cidade imprópria para pessoas com deficiências físicas. Inclusive quem enxerga bem ou se move com facilidade precisa ter cuidado para andar por nossas ruas (veja o artigo Calçadas armadilhas). Na Professor Araújo encontra-se a calçada mais estreita do mundo, por onde só acrobatas podem caminhar (leia o post).

Os irmãos Ramon e Thomaz Ballverdu com o amigo Marcelo Silva, estudantes de publicidade, filmaram as dificuldades que os cadeirantes mais ousados sofrem numa cidade. Segundo o Diário Popular (edição impressa de sábado 19), os 3 amigos se inspiraram num vídeo que relacionou os buracos das ruas de Porto Alegre com um campo de golfe (veja a notícia, de maio passado).

O vídeo foi postado quarta (16) e está tendo a média de 4 mil acessos por dia (veja no YouTube). Diversos portais de notícias já o publicaram: o do Diário Popular (dia 17), o ClicRBS (veja os comentários no Pretinho Básico) e o Amigos de Pelotas. As tragicômicas imagens são de Pelotas mas se replicam pelo mundo moderno afora.

Como o vídeo é pura mímica, outros países entenderão a ideia na mesma hora, mas será difícil explicar a alguém de fora de Pelotas como pode um poste ocupar toda a calçada e a Prefeitura não corrigir a situação. Durante décadas.

Sim, aqui isso ocorre em algumas ruas do centro, não só nessa da foto (dir.). Só passa um pedestre de cada vez, e ninguém acha estranho.

Os autores do vídeo associaram o perigoso exercício com um "parkour sobre rodas". O nome é inventado e faz parte da sátira, pois o parkour é uma atividade atlética, enquanto esta frustrante exclusão anula os movimentos, expressão do insociável egocentrismo urbano.

No fundo, o que se busca é desenvolver atitudes mais humanas e inclusivas. Se este protesto não somente gerar reflexão sobre o que é a vida democrática e também conseguir mudanças físicas na cidade, terá sido uma fantástica campanha publicitária.

Sobre o mesmo tema, veja abaixo um vídeo jornalístico da TV Nativa, veiculado em janeiro de 2011.



POST DATA:
6-12-11 O portal
Sedentário replicou anteontem o vídeo Parkour Roulant, dando link para esta postagem.

15-12-11 Um mês depois, "Parkour Roulant" registra 155 mil acessos (em média, cerca de 5 mil por dia).

Acompanhe a restauração do Casarão 8

O blogue Casarão 8 foi criado para deixar um registro histórico e público do processo de restauração deste prédio comprado pela UFPel em dezembro de 2006. O projeto é realizado conjuntamente pela Pró-Reitoria de Planejamento e pela arquiteta Ana Luísa Bezerra, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, do Ministério da Cultura.
O prédio foi inaugurado em 1880, para residência de Francisco Antunes Maciel (1847-1917), fazendo parte de um valioso conjunto arquitetônico que ocupa todo o quarteirão histórico. Desde 1950, o casarão já foi ocupado por diversas entidades públicas, e após ser vendido à UFPel esteve em abandono (veja postagem) até março de 2011. A obra, que custa 2.485.416 reais, deverá ser concluída em março de 2013.

Livraria da EDUCAT

A Livraria da EDUCAT (Editora da Universidade Católica) está anunciando 20% de desconto e facilidades de parcelamento em todas as obras à venda, tendo em vista o tempo de Natal (leia nota). A promoção começou quarta (16), imediatamente após o encerramento da Feira do Livro de Pelotas.

Como o desconto de 20% já era feito na livraria (leia nota de 2008), este anúncio poderia significar que a promoção não é tão excepcional como parece, ou que implicitamente se pode esperar o fim dos descontos depois do dia 25 de dezembro.

Assim como em 2010, este ano a EDUCAT não participou na Feira do Livro (primeira quinzena de novembro), onde o aluguel de bancas custa caro aos livreiros, mas costuma trazer retornos nas vendas.

A Editora da UCPel organizou, inclusive, um lançamento nesse período (esq.): "Manual da Puericultura", de professoras da Faculdade de Medicina (veja notícia). O evento foi realizado defronte à Livraria (entrada pela Gonçalves Chaves, 373), no Espaço de Convivência do Campus I.

Quinta (17) outro livro foi apresentado: "Compreensão da Responsabilidade Civil", do advogado José Luís Marasco Leite, professor por 25 anos no Direito e há 40 trabalhando na UCPel (leia notícia). Este lançamento foi feito em ambiente mais reservado e propício a uma palestra: o Instituto João Simões Lopes Neto, entidade que tampouco esteve na Feira do Livro em 2010 e 2011.

Desde 1988, a EDUCAT centraliza a publicação científica da UCPel, e atende também clientes externos. Por sua parte, o sítio web da Editora está atualmente em manutenção e sua página de apresentação está desatualizada (veja).

No interior da Livraria encontra-se o Memorial Dom Antônio Zattera (dir.), inaugurado em julho de 2007 (leia nota com biografia do homenageado). Ali se podem apreciar objetos pessoais, placas e troféus, vestimentas e documentos históricos do ex-bispo que fundou a Universidade Católica em 1960 e foi seu reitor, por cerca de uma década (1965-1977).
Fotos: UCPel (1-2) e F. A. Vidal (3)

sábado, 19 de novembro de 2011

Concurso de fotos da Igreja do Porto

A paróquia do Sagrado Coração de Jesus inscreve até sexta (25) para um concurso de fotografias sobre as belezas naturais em nossa cidade, em alusão aos 200 anos de Pelotas.
O regulamento se encontra no blogue da Igreja do Porto (leia o post), editado pela Pastoral de Comunicação (PASCOM) da paróquia.
Haverá 11 prêmios, e serão expostos 48 trabalhos finalistas, de 5 a 9 de dezembro, no Centro de Integração do MERCOSUL, da UFPel. Nessa semana, o Júri Popular escolherá um premiado e, na seguinte, o Júri Técnico nomeará outro 1º lugar. Os resultados serão divulgados no sábado 10 de dezembro e os prêmios serão entregues dia 17 (em ambos os casos, no final da missa das 18h).
O concurso chama a fotografar a beleza da Criação, em Pelotas. Em nota no Diário da Manhã (terça&quarta 15-16, p. 7), o coordenador da PASCOM, Aldevar Araújo, esclareceu que o título ("Concurso Igreja do Porto") e o cartaz do concurso podem fazer pensar, erroneamente, que se esperam fotos do templo, que é muito bonito mas não é uma beleza natural. "Criação", com inicial maiúscula, significa "obra de Deus", aludindo aos chamados reinos animal, vegetal e mineral (como na foto acima, tomada em 2010 por Francisco Roberto Vargas).

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O medo devora a alma


O Cineclube Zero 3 está debatendo o melodrama no cinema, no último ciclo mensal de 2011. Este sábado (19), será exibido o filme alemão O Medo Devora a Alma (1974), de Rainer Werner Fassbinder. No relato, uma viúva de 60 anos e um muçulmano de 40 iniciam um relacionamento amoroso, numa Europa conservadora e temerosa do avanço do Terceiro Mundo.

Na cena acima, a mulher apresenta o novo marido aos filhos adultos, como se ela mesma fosse uma adolescente esperando a acolhida familiar. A reação deles não é nada adulta nem acolhedora, e sim possuída pelo medo e pela raiva. O filme de Fassbinder reflete sobre a sociedade e o melodrama, mas alguns traços familiares podem levar-nos a pensar sobre nossas atitudes perante as mudanças, o amor e o crescimento pessoal.

A presença de um televisor entre as pessoas remete a uma cena de Tudo o que o céu permite (veja aqui), de Douglas Sirk (1955), em que o aparelho representa o desejo das crianças de serem vistas pela mãe, como num espelho familiar, e assim não venha a casar com o homem que ela ama.

A sessão começará às 15 horas, no auditório do Centro de Artes da UFPel (Alberto Rosa 62). A entrada é gratuita.

Professora recomenda dois clássicos

Nesta colaboração, a Professora Loiva Hartmann recomenda dois gigantes da literatura latino-americana, propõe uma comparação entre eles e sugere que a leitura dos clássicos contribui ao desenvolvimento mental e ao progresso da sociedade. Os dois autores citados mostram como a riqueza espiritual dos mais frágeis fica exposta ao abuso dos corruptos, seja no sertão da vida ou na solidão da sociedade.


O grande caminho e a grande solidão

Grande Sertão: Veredas, do brasileiro João Guimarães Rosa, e Cien Años de Soledad, do colombiano Gabriel García Márquez, põem a nu a prostituição do Homem desamparado ante o poder e a corrupção.

Em Grande Sertão (escrito em 1956), as autoridades estão sempre à margem esquerda do rio por ocasião dos conflitos (na Bíblia, os filhos diletos estão à direita do Pai), mostrando situação atual. A travessia é a busca de valores a que todo ser humano procede a partir do estado de solidão.

Riobaldo, personagem central, diz que "o sertão é dentro da gente". Ponto central da travessia, Diadorim — homem/mulher? — é o núcleo da viagem circular de Riobaldo para dentro de si mesmo, em busca do eu. O sertão por fora é a luta com os Hermógenes e por dentro é luta com Diadorim, mistério impenetrável que planta nele a inquietação permanente.

É na arte que as formas pulsionais que movem o ser se apresentam de forma mais contundente, e a literatura é o espaço sagrado que permite compreender, através de representações (Carl Jung), a plenitude da vida. Lévi-Strauss vincula o estudo da narrativa à revelação do fundo ideológico do texto. E então se está a um passo da História e da sociedade.

Cem Anos de Solidão (1967) — aclamado pela crítica internacional como o "romance do século" — é o check-up do desmantelamento e da corrupção de um grupo social por alienígenas, iniciado no século XVI com a colonização da América pelos espanhóis. Denuncia uma situação peculiar, na qual a prostituição moral, cívica, econômica, política e cultural é permanente!

Em CAS há um pilar: la tatarabuela ignorada, testemunha onisciente das ruínas de uma civilização. Através da sabedoria secular dessa mãe-prostituta, García Márquez recria o mito do tempo circular, o mesmo tempo circular da viagem de Riobaldo em Grande Sertão.

Comparação

Cremos que a obra de Rosa lhe é superior: contestando a sociedade que prostitui o indivíduo, pela corrupção do que nele há de mais intocável — sua intimidade e dignidade humanas. Diante desta sociedade, Rosa não capitulou e, para exprimir a necessidade de revirilização do Homem, nos deu Grande Sertão, a apologia da coragem. O sertão lhe pareceu o único espaço do mundo moderno em que a vida não é impessoal.

Obra impregnada de determinantes filosóficos, éticos, psicológicos, políticos, além da genialidade na recriação linguística, em J. G. Rosa — como em Beethoven, Goethe, Rembrandt, Bach, Mozart — as coisas são eminentemente estéticas, acontecem sub species religionis (sob aspecto da religião). Buscavam a beleza eterna, perenidade ideal que lhes saciasse a sede de infinito.

Nesses exponenciais da cultura ocidental, a inserção do feminino permite observar o essencial: a comunhão irredutível dos princípios masculino/feminino. E que as deformações havidas em seus papéis históricos, tiveram sempre em seu bojo interesses ideológicos de poder.

Importância social da leitura

A função social da literatura se manifesta na experiência do leitor, na expectativa da prática de sua vida: pré-forma sua compreensão de mundo, resultando nas várias formas de comportamento social. Portanto, o professor de Literatura é agente essencial à construção de uma consciência crítica e democrática.

Participar de uma Feira do Livro significa ter tido professores de Língua e Literatura semeando conhecimento em mentes ávidas do mesmo. A existência mesma de uma feira dedicada à escrita é uma homenagem a esses seres ainda não valorizados por muitos agrupamentos humanos, pequenos em si mesmos.

Professora Loiva Hartmann
Especialista em Metodologia da Leitura e Produção Textual

Fotos cubanas e libres, até 14 de dezembro


Cuba Libre é a mais recente exposição de Eduardo Dévens, que inaugurou sexta (11) a nova Galeria Mirar, idealizada pela artista plástica Norma Alves no Centro Comercial Zona Norte, e dedicada exclusivamente à arte da fotografia.

A amostra inclui 30 imagens principais, um painel de 30 miniaturas, uma sucessão de mais de trezentas imagens exibidas num televisor e uma fotografia gigante que serve de cartão postal da Galeria (abaixo), junto à qual os visitantes podem ser fotografados.

Em junho passado, passeando por três cidades cubanas (La Habana, Cienfuegos e Trinidad), Eduardo (dir.) registrou centenas de imagens em poucos dias. O exercício de percepção e criatividade foi um desafio para a sensibilidade e a presença de espírito deste médico com vocação artística.

Cada um desses registros impressiona o espectador das mais inesperadas formas: pela rica composição estética, pelo interesse antropológico, pela diversidade interna do país visitado, por semelhanças sugeridas com o Brasil, por efeitos variados de sombra, cor e movimento, e pelos bem-humorados títulos.

Eduardo Dévens é atualmente o curador do Espaço Arte Chico Madrid, na Sociedade Sigmund Freud. Outros de seus trabalhos como fotógrafo estão expostos em anteriores postagens aqui no blogue.

A visitação de Cuba Libre é gratuita, e segue por quatro semanas, de terça a sexta (10-12h e 14-18h) e sábados (9-12h), com venda das fotos em vários tamanhos.
Imagens: E. Dévens (1) e N. Alves (2)

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Pinturas de Carmen Garrez


Imagens preparadas por Kafkas Gökalp (Turquia) com trabalhos da artista plástica Carmen Garrez (veja Flickr) e o fundo musical "Pájaro Campana" com o Trio Los Paraguayos.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

RBS desativa sítios de notícias locais

Caro leitor: a partir de 1-11-11 este site não será mais atualizado.
Agradecemos sua participação e audiência.
Você pode continuar acompanhando o noticiário pelo
clicrbs.

Este aviso (dir.) foi colocado há duas semanas em 9 sítios de notícias hiperlocais da RBS, agora desativados. O projeto em fase experimental começou a ser desmontado aos poucos este ano em Pelotas, que foi onde havia iniciado, em dezembro de 2009.

O blogue Coletiva dos Vales publicou a notícia dia 3, referindo-se somente aos 2 sítios do Vale do Rio Pardo (veja o post). A Revista Coletiva.net se referiu ao projeto em conjunto (leia a nota).

Há dois anos a RBS começou a desenvolver um grande projeto online, em que cada cidade do interior teria uma comunidade virtual de leitores-repórteres, coordenada por um jornalista, com a assessoria de um conselho de colaboradores.

Com a curadoria de Bianca Zanella, Pelotas começou como teste e serviu de apoio para a segunda fase, quando cidades próximas (Canguçu e Camaquã) reproduziram esse modelo de jornalismo web. Após 4 meses foram fechados.

Em 2010 foram designados mais jornalistas para Rio Grande e outras cidades do Estado (Gramado foi a última, em maio de 2011). O projeto expandiu-se a Santa Catarina (primeiro Itajaí, seguiu-se Chapecó, e Criciúma seria a terceira).

No entanto, em janeiro deste ano o sítio pelotense deixou de postar no Facebook, Bianca foi transferida em maio (veja nota) e, no primeiro dia de novembro, o Twitter RBSPelotas e o próprio ClicPelotas deixaram de ser atualizados. A maioria dos outros sítios também foram desativados nessa data: Rio Grande, Livramento, Erechim, Bento Gonçalves, Lajeado, Gramado, Santa Cruz e Uruguaiana (confira cada um clicando nos nomes).

Até este momento, o ClicRBS ainda segue funcionando em Passo Fundo, Santo Ângelo e Santa Rosa, mas todos eles foram retirados do menu principal da RBS. Em Santa Catarina continuam Itajaí e Chapecó.

Um dos planos da RBS era contar com um jornal impresso em Pelotas, que inserisse a cidade em sua grande rede de meios de comunicação. A empresa não revelou seus planos, mas pode-se presumir que o aparente retrocesso se relacione com um futuro avanço de um projeto maior (rede Globo ou multinacional) para desenvolver jornalismo hiperlocal no interior do Brasil.

Se Pelotas não contar com uma rede local unida de jornalismo, os grandes capitais externos que ocupam todos os espaços tirarão proveito de nossa tradicional fragmentação e os veículos pelotenses ainda existentes se verão reduzidos a uma mínima expressão.

POST DATA (25-11-11).
A partir desta terça (22), os sítios de Santo Ângelo e Santa Rosa ficaram desativados e suas notícias ficaram centralizadas no novo
ClicRBS Noroeste Missões.

Trio Piano Class

Os pianistas Júlio Machado e Fernanda Castilho dedicam-se a lecionar seu instrumento desde 1998, em sua escola Piano Class e com seu próprio método, o Sistema Castilho-Machado de Aprendizagem Musical. Eventualmente eles se apresentam também como o Duo Piano Class, fazendo interpretações como solistas ou a quatro mãos (vídeo abaixo), seja em recitais coletivos ou especiais para o Duo.

Uma dessas ocasiões especiais será esta quarta (16), quando o casal de músicos formará por primeira vez o trio Piano Class com seu filho Henrique Castilho Machado, em três desempenhos sucessivos. Com somente 6 anos de idade, Henrique tem mostrado inusual talento e interesse para o piano e já se apresentou, como aluno do pai, em pelo menos três recitais da escola, em Pelotas e Rio Grande.

O programa anuncia um concerto de piano com as seguintes partes:

1 Henrique Machado - Brincando
2 Júlio Machado - Infância pianística
3 Fernanda Castilho - Cenas

Quarta 16 de novembro, no Centro Português 1° de Dezembro (Andrade Neves, 2042), com entrada gratuita.

No vídeo, a Fantasia em fá menor para piano a quatro mãos, de Franz Schubert, gravação ao vivo em 22-10-2009, em Rio Grande (RS).

Fernanda Castilho & Júlio Machado: Fantasia em fá menor, de Schubert by pianoclass

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Poema ácido sobre a morte da inocência

Nathanael Anasttacio autografa, esta sexta (11) na Feira do Livro, seu livro de poemas de crítica social "Teoria do Te-Vira". A obra já está à venda na Livraria da UFPel, em formato impresso, e pronta para o lançamento em formato eletrônico. A divulgação será feita em diversos lugares de Pelotas, para promover o trabalho da organização Gesto, à qual foi destinado o dinheiro que for obtido das vendas.

Sobre este trabalho, a professora Loiva Hartmann escreveu o seguinte:

A palavra em quaisquer de seus suportes: esse é o insight do talento de Nathanael Anasttacio. Multimidiático, percorre quaisquer desses caminhos com desenvoltura. Seus poemas têm a energia e a indignação do jovem diante de uma sociedade em desestruturação. Ou será que sempre foi uma grande farsa e, hodiernamente, diante de tantos meios de exploração da realidade, a farsa está mais exposta?

A literatura é o reflexo da trajetória de um povo. E o jogo proposto por NAnasttacio, numa linguagem despojada e atrevida, própria dos jovens, desnuda o escrevinhador engajado em sua realidade, com a coragem necessária para a denúncia, mas, com a ternura característica que traduz o talento literário. Convido o prezado leitor a me acompanhar nessa prazerosa leitura.
Prof.ª Loiva Hartmann (UBE/IJSLN/IHGPel)

O estupro da minha inocência

Despindo-me de tudo que acreditava

Meu psiquiatra fala que é um processo natural
Eu acho de muito mau gosto a piada

A violência com que o viver me pegou
Um toque áspero e um perceber estranho
Uma sensação de medo profundo

Medo de que nada aconteça
Medo de que os culpados sejam os inocentes de ontem
Medo de que tudo que me foi ensinado esteja errado

A beleza do que havia visto um dia ... sumiu

Enterrada sob camadas de leituras sensoriais possíveis
E só agora vejo isto ...
E então percebo que minha pureza não resistiu

Fui me distorcendo de tal forma
Que o que é feio passou a ser belo
E o passar dos entendimentos foi crescendo
Tornando a realidade uma estante vazia

Quem mais não viu ?
Pois todas as testemunhas disseram estar dormindo
Enquanto meus olhos eram rasgados e o mundo vinha invadindo
Ninguém viu ... ouviu ... ou refletiu sobre isso

Sobra para a vítima o silêncio sobre o ocorrido
Se seus olhos não tivessem sido abertos
Como enxergar o que se deixou para trás ?

As malas
A chave na porta
O carro na calçada

Quem era livre ... hoje em dia não é mais isento
E a inocência sinceramente ... era o que dava beleza
A esse caos insano

A violação dos padrões aceitos
Quando se polui as normas e transgride as regras dos modos
Sem nunca desconstruir a regra do tempo
O que nasce ao seu tempo ... tem o tempo de evoluir

E na minha inocência
Só queria mudar o mundo ...
Aquele mundo que só existia

... na minha ignorância
Nathanael Anasttacio

Fotos da web

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Obras de Graça sobre papel

Permanece até esta terça (8), no Espaço Arte Chico Madrid, a mostra de gravuras da artista plástica Graça Marques (foto) com o título “Obra Sobre Papel“, com curadoria de Eduardo Dévens, o diretor cultural da Sociedade Sigmund Freud.
Desde que se formou na UFPel, Graça Marques (veja currículo) vem trabalhando as texturas como conceito. Já experimentou com diversos tipos de suporte e várias técnicas de criação, como a fotografia digital e a colagem de materiais. Seu atual trabalho usa o papel como suporte e como material, além de usar cartões, madeiras, terras, cordões e fios metálicos.
As obras desta exposição são serigrafias que incorporam elementos de pintura, desenho e colagem. A partir dessas intervenções plásticas cada estampa se converte em obra única e individual, subvertendo, assim, o caráter serial das gravuras.
O papel, que já é um protagonista no título da exposição, se encontra no suporte das obras, nos materiais usados e até no conteúdo, que às vezes faz lembrar livros de diferentes formatos. "Obra sobre Papel" traz também um co-protagonista bem menos evidente, mas indispensável, que é a técnica unificadora da colagem.
Um terceiro elemento é a reciclagem da matéria, perceptível de modo sutil na qualidade renovável e transformável de materiais como o papel e a terra.
Forma-se assim um trio conceitual que parece propor uma dupla reflexão sobre a Arte: por alusão à criatividade em si (definível como um dinamismo de arranjos infinitos) e ao ser humano como obra — esse material orgânico que se autodefine fase a fase e que, entre quedas e perdas, se reconstitui e se recria, em busca de si mesmo.
Fotos: E. Dévens

domingo, 6 de novembro de 2011

Releitura de Van Gogh, por Marlene Kerr

Em agosto e setembro passado, a artista Marlene Abrantes Kerr realizou sua sexta mostra individual, sob o título “Cor e Vida”, na Galeria de Arte da Universidade Católica (veja nota da UCPel).

São 15 pinturas sobre tela, em técnica mista, que em outubro de 2010 participaram na 23ª Semana de Arte e Cultura, em Rio Grande (veja nota da Prefeitura). Os trabalhos são releituras semiabstratas da obra “Lírios” (imagem inferior), de Vincent Van Gogh (1853-1890), considerada hoje entre as dez pinturas mais caras já vendidas (veja a lista).

Na série “Cor e Vida”, a artista pelotense escolheu detalhes do quadro de Van Gogh e criou uma sequência de novas pinturas, usando também cores alegres e vibrantes, em consonância com o estilo do holandês.

Por outro lado, rompendo a proximidade com a natureza - traço característico do quadro "Lírios" - Marlene introduz inovações como elementos geométricos e combinações de cores mais variadas e complexas. Assim ela declarou à reportagem da UCPel:

— Cada obra é um pequeno recorte das releituras. São algumas formas e composições que misturo à emoção e às cores, gerando uma nova peça. Os quadros foram feitos de acordo com os momentos vividos.

Marlene Kerr é Bacharel em Pintura pela Escola de Belas Artes de Pelotas (1956), onde foi aluna de Aldo Locatelli. Em suas obras, utiliza variados materiais e técnicas: tinta acrílica, lápis, colagem de papéis, tecidos, pedacinhos de sabonete e técnica de textura com papel arroz.

É conhecida como artista, professora de artes plásticas e ex-diretora do Centro Municipal de Cultura Inah Emil Martensen (veja nota). Exerceu como professora em escolas públicas e particulares de Rio Grande, sem deixar de dedicar-se à criação e às exposições.

Nos últimos trinta anos, já participou em 5 coletivas (Pelotas, Buenos Aires, Porto Alegre e Los Angeles-EUA) e 5 mostras individuais (Canela 1984, Porto Alegre 1984, Madri 1989, Pelotas 1995 e Rio Grande 2010).
Imagens: F. A. Vidal (1-2)

sábado, 5 de novembro de 2011

Edição de livros em Pelotas

No Dicionário de História de Pelotas (UFPel, 2010, p. 164-165), o verbete "Livros", redigido por Mario Osorio Magalhães, resume a história da publicação literária em nossa cidade (transcrito abaixo).

Sobre as editoras e gráficas pelotenses na década de 1920, veja também o artigo de Nádia Miranda Leschko Estudo de mapeamento da indústria gráfica em Pelotas (publicado no 4º Seminário de Memória e Patrimônio, UFPel, 2010).


Carl von Koseritz
Em Pelotas – como no Brasil, em geral – a história do livro está associada à história do jornal.

Primeiro, porque das tipografias dos jornais foi que saíram os primeiros livros. É bastante provável que a mais antiga obra editada em Pelotas tenha sido Resumo de História Universal, também o livro de estreia do professor alemão Carl von Koseritz (dir.) [1830-1890; veja biografia segundo a ARL]. Foi impresso em 1856 na tipografia de O Noticiador, o segundo jornal em circulação na cidade (Tipografia Luiz José de Campos).

Antes, em 1852, o prof. Antônio José Domingues mandara imprimir vários poemas na Tipografia Imparcial, de Cândido Augusto de Melo, ou seja, nas oficinas de O Pelotense, o primeiro jornal de Pelotas. Só que, editados em folhas soltas, esses poemas não chegaram a constituir um livro [veja Relação de jornais existentes na Biblioteca Pública Pelotense, de Garcia e Loner, s/d].

Capa original (Livraria Universal, 1910)
[...] Por um segundo motivo a história da imprensa e a história do livro correm paralelamente, tanto no Brasil quanto em Pelotas: grande parte das edições, no século XIX, era resultado da reimpressão de um material que já fora divulgado, em forma de folhetim, nos rodapés dos jornais.

Temos um exemplo disso no final do século: de autoria de Paulo Marques, o folhetim Vênus ou O Dinheiro, veiculado no jornal Onze de Junho entre setembro e novembro de 1881, transformou-se em livro em 1885, editado sob a chancela da Biblioteca Pública Pelotense.

E sabe-se que duas das principais obras do maior escritor pelotense, João Simões Lopes Neto – Contos Gauchescos e Casos do Romualdo –, antes de assumirem o formato de livro foram publicadas na imprensa: respectivamente, no Diário Popular e no Correio Mercantil.

No ramo específico da indústria editorial, duas empresas dominaram o mercado pelotense - e praticamente o mercado rio-grandense - no último quartel do século XIX:
  • a Livraria Americana: de propriedade de Carlos Pinto & Cia., foi fundada em 1875, estabelecendo filiais em Porto Alegre (1879) e Rio Grande (1885); e
  • a Livraria Universal: de propriedade de Echenique & Cia., foi fundada em 1887, expandindo igualmente seus negócios até Rio Grande e Porto Alegre.
    Foi a Universal [dir.; esquina da Sete de Setembro com Quinze de Novembro] que lançou as primeiras edições [em livro] do Cancioneiro Guasca, dos Contos Gauchescos e das Lendas do Sul, do citado Simões Lopes Neto (Casos do Romualdo só seria editado postumamente, pela Globo, de Porto Alegre).
[...] Dentre os livros que publicaram, predominam as obras de ficção, de autores universais, nacionais e regionais. Mas não deixa de ser surpreendente o acervo de seus livros didáticos.

Substituindo a Americana e a Universal, ainda na primeira metade do século XX, as principais livrarias de Pelotas passaram a ser a Livraria do Globo (filial da de Porto Alegre, então uma das maiores casas editoriais do Brasil) e a Livraria Mundial, fundada em 2 de agosto de 1935 e ainda em atividade.

Livraria Universal nos anos 20. A esquina da Quinze com Sete ainda é famosa, mas pelo café e pelos doces.
Imagens: Flanela Paulistana (1), OLX (2), N. Leschko (3)

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

O autorretrato de Kleiton e Kledir


O álbum Autorretrato (2009) é um documentário musical (veja ficha técnica) com 13 canções recentes de Kleiton e Kledir Ramil. O estilo é o tradicional da dupla: romântico, regionalista, bem-humorado, simples para cantar, dançar e memorizar (veja uma crítica).

Na música Autorretrato, os irmãos definem uma amizade espiritual: descrevem-se a si mesmos e mostram como é bom ser tão diferentes um do outro, como dois mundos que dialogam em apoio mútuo permanente. Cinquentões assumidos, eles não escondem que são da época dos carros DKW e das motonetas Lambretta. A dupla está em turnê nacional com as músicas deste álbum, e na próxima quarta (9) apresenta-se no Teatro Guarani.

11 anos do Corredor Arte

Em 18 de setembro de 2011, o projeto Corredor Arte completou 11 anos de atividades, numa sequência ininterrupta de mais de 200 exposições, alternando trabalhos de artistas de Pelotas e região. Para marcar a data, sua coordenadora, Ana Lúcia Brod (foto acima), concebeu uma mostra conjunta dos fotojornalistas Carlos Queiroz, Jô Folha, Moizés Vasconcellos e Paulo Rossi.

No Fotojornalismo a fotografia costuma representar o que está escrito, como uma extensão da notícia, e também pode contar a história sozinha, deixando o texto como um simples complemento.

As 12 imagens escolhidas para esta exposição homenageiam essa capacidade artística do fotojornalista, que deve ter um acentuado sentido para perceber as composições visuais, os detalhes em relação ao conjunto e a importância do momento presenciado.

Esses talentos praticados cotidianamente no jornalismo são também uma contribuição à saúde, quando ajudam a abrir os olhos e a alma de quem sofre ou está com os sentimentos à flor da pele.

Quem passa pelos corredores de um hospital pode beneficiar-se da renovação de cores e formas, na medida em que se abre à vida e à esperança. Aqui se misturam, por exemplo, a ansiedade da mãe que espera dar à luz com a alegria de outra que leva o seu bebê para casa.

As pessoas que aqui se tratam e se recuperam são convidadas pelo Corredor Arte a deter-se um momento, meditar, comentar, encontrar-se, apoiar-se. Como uma paisagem de sentimentos silenciosos, as imagens facilitam a calma interna daqueles que se dispõem a buscar uma saída para seguir vivendo.

O que era uma simples passagem transformou-se num espaço de encontro, tanto para os pacientes e seus familiares, como para os funcionários do Hospital-Escola da FAU-UFPel.
Imagens: Completa Comunicação

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A árvore em busca do céu

A árvore que parece abraçar os viajantes celestes com sua característica forma de ferradura encontra-se num ponto importante do centro de Pelotas. O leitor que primeiro disser onde ela se localiza ganhará um adesivo com o banner deste blogue (20x8cm); a mensagem ou comentário deve trazer um nome e um endereço eletrônico para o retorno.