quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Facetruque, a música denúncia de Serginho

Não escrevi
Não cri no que li
Não, não creio

Amigos?
Acredito tê-los? NÃO
Sorrisos de aplicativo
Selfies de egos vaidosos/viciados/apelativos
Curtidas e pompas cínicas

Percebi não ter escrito
Morri por opinar
A morte do meu avatar/personagem favorito
Jogo virtual de parecer sem muitos pareceres

Há um charme nessa discussão. Um tom, ora alarmista, ora conspiracionista.
Nossa privacidade/intimidade controlada e disputada. Nossos gostos mais secretos manipulados e arquivados em terabites de informação. Logaritmos testando-nos e envolvendo-nos numa rede mundial interligada.
Um pouco de filosofia hightech nessa época ultra hightech.
Vale usufruir e consumir sem ser consumido.
Nathanael Anasttacio

Revista Super Interessante
denunciou truques do Face.
Em junho de 2015, reportagem mostrou que quanto mais as pessoas passam tempo no Facebook, mais se sentem infelizes. Uma experiência descobriu que a manipulação das timelines, programadas por fórmulas específicas, pode ocasionar mudanças no estado de humor das pessoas (v. artigo).

A rede social mais acessada do mundo gera ilusões, ou será que as fantasias e inseguranças é que causam a dependência do ambiente virtual? Quem manipula quem?

Antes do Facebook, as pessoas eram dependentes das postagens no Orkut, e antes disso ficávamos grudados na televisão várias horas por dia. A farsa seguirá existindo pois está dentro de nós mesmos. Quando o perfil é fake, a falcatrua se volta contra seus autores.


No Facetruque todo mundo é artista,
Poeta, músico, fotógrafo, produtor, malabarista.
No Facebook todo mundo é vegetariano, vegano e tri anarquista.
No Facebook todo mundo é artista,
Poeta, músico, compositor, malabarista.
No Facebook todo mundo compartilha tudo com tudo, ninguém é egoísta.
No Facebook todo mundo é bi, tri, neoexpressionista, anarquista.

No Facebook todo mundo gosta dos cachorrinho de rua mas cria o poodle no apartamento.
E no fim de semana bota foto do cachorro pulguento
Na linha do tempo
No Facebook todo mundo é vegetariano, quase vegano.

Sai da frente desse Facetruque. Compartilha aí!
Cutuca, cutuca, cutuca, cutuca... cuidado com o nariz!

Cuidado, que muito tempo na internet
Você pode virar um boneco marionete
Ou a tiete acaba mais quente que um chuveiro Lorenzetti.

Tudo de novo!

No Facebook todo mundo é artista.
Poeta, músico, fotógrafo, malabarista,
É do Tholl,  neoexpressionista, bi tri anarquista,
No Facebook todo mundo compartilha tudo com tudo, não existe egoísta.
No Facebook todo mundo gosta dos cachorrinho de rua mas cria o poodle no apartamento,
E no fim de semana bota foto do cachorro pulguento na linha do tempo.

No Facebook todo mundo é anarquista, neoexpressionista,
Compartilha tudo com tudo, com o mundo inteiro, ninguém é egoísta.
No Facebook todo mundo é vegetariano, não come churrasco, gosta das vaquinha quase vegana.
No Facebook não tem vagabundo, chinelo e ladrão.
É o Facetruque.

Um comentário:

Loiva Hartmann disse...

Caríssimo Nathanael: que bom ver que continuas produzindo e trabalhando!
Concordo em termos com teu texto. Eu mesma clico em amenidades de amigos. Mas, aproveito o espaço para expor minhas idéias sobre o mundo, a vida, a política, a economia, a arte!
É um espaço como qualquer outro. Como o alcance é maior, divulgo o que julgo importante, do que faço, do que acredito.
E a nossa revista do blog? Fiz a resenha inicial ou abertura. Mas não aconteceu ainda! Lembro que lamentei que as Jornadas Culturais não fossem mostradas. No mais, estava ótima. Necessária.
Grande abraço, a amiga de sempre, prof.ª Loiva Hartmann