quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Para reiniciar o caminho

E se Cristo não tivesse ousado saber-se o Messias Prometido?
E se Galileu Galilei tivesse se acovardado, diante das evidências que hoje aceitamos naturalmente?
E se Freud tivesse se acovardado diante das profundezas do inconsciente?
E se Picasso não tivesse se atrevido a distorcer as formas e a olhar como quem tivesse mil olhos?

"À mente apavora o que não é mesmo velho", canta o poeta, expressando o choque do novo, o estranhamento do desconhecido.

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.
Fernando Teixeira de Andrade
(Confira texto completo)
Foto: Pelotas Memória 

Um comentário:

manoelsmaglhae@gmail.com disse...

Linda foto