quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Porto de Pelotas há cem anos

Na época das charqueadas, Pelotas era o principal centro econômico e comercial do Rio Grande do Sul. Seu porto acompanhava esta liderança e era o mais movimentado do Estado até meados do século XIX.

Com a frase acima, o médico Ronaldo Bastos publicou — em seu blogue Porto Alegre, uma história Fotográfica — duas fotos do antigo porto pelotense, antes de sua construção oficial. As imagens são de 1912 (acima) e de 1895 (abaixo). Pesquisador fotográfico há 45 anos, Bastos atualmente é colunista no programa Câmera 2, da TV Pampa de Porto Alegre.

A exploração comercial do Porto de Pelotas foi concedida pela União ao Estado do Rio Grande do Sul em 1928 e as obras foram iniciadas em 1933. O projeto inicial era de 3 armazéns e 464m de cais (leia descrição oficial e o verbete na Wikipédia), que é a estrutura existente até hoje. O início das operações foi em 12 de janeiro de 1940 (há 71 anos, portanto).

Ao redor deste porto de água doce, pouco profundo, construiu-se um bairro de fábricas e depósitos (hoje denominado Bairro São Gonçalo). Com a decadência econômica da cidade, o velho bairro do Porto transformou-se em ruínas e vem sendo recuperado pouco a pouco, com projetos da Universidade Federal de Pelotas.

10 comentários:

Mãe da Tonton disse...

Acompanho sempre o seu blog, como já disse outra vez em outro comentário, e gostaria de saber se você tem algum material histórico sobre a praça que fica na avenida, acho que nome é Dom Antonio Zattera. Também gostaria de saber se existe algum histórico das ruas de pelotas...
muito obrigada
abraços
Paola
lola.maia@yahoo.com.br
www.antonellaesuaboneca.blogspot.com

Francisco Antônio Vidal disse...

Obrigado pela preferência e pela sugestão (logo farei uma nota sobre a antiga "praça dos macacos" ou Júlio de Castilhos).
Sobre ruas de Pelotas, o texto mais conhecido é um livrinho de Mário Osório Magalhães: "Os passeios da cidade antiga (Guia Histórico das ruas de. Pelotas)" 2ª edição, revisada. Pelotas: Armazém Literário, 2000.

Aline disse...

Olá Francisco! Diante da curiosidade em conhecer um pouco mais o novo colega, vim ver teu blog! Achei super interessante!! Já adicionei aos "favoritos" no computador...
Seja bem vindo à nossa equipe!! Certamente que, além de teu conhecimento técnico como psicólogo, esta visão ampliada sobre a vida social e cultural da cidade muito contribuirá na construção de nossos projetos.
Abraço! Aline

Francisco Antônio Vidal disse...

Aline, obrigado pelo reconhecimento; espero que nosso trabalho seja também produtivo e interessante e possamos contribuir a melhorar nossa cidade e nossos cidadãos.

Francisco Antônio Vidal disse...

Inspirado nestas fotos e na triste realidade de nosso porto, Anderson Reichow escreveu e publicou hoje em seu blog o conto "O Portuário".
pensamentoampliado.blogspot.com/2011/02/o-portuario.html

Anônimo disse...

Oi! Achei muito interessante o teu blog. Gostaria de te pedir uma ajuda, não sei se poderas me ajudar, mas já sou grata. Estou fazendo um trabalho sobre o Porto, mais especificamente, na area da praça domingos rodrigues. Preciso de informaçoes sobre o porto antigamente e algumas curiosidades. Se puderes me ajudar te mando aqui meu email: raizadittgen@hotmail.com

Anônimo disse...

OI!Preciso saber se existem fotos da Praça DOM Antonio Zattera. NOS anos 60 e 70 desde já agradeço...

Francisco Antônio Vidal disse...

O Parque Dom Antônio Zattera chamava-se, nos anos 60 e 70, Praça Júlio de Castilhos. Popularmente conhecia-se como Praça dos Macacos, pelo pequeno zoológico que havia ali. Fotos antigas poderiam encontrar-se nos arquivos da Biblioteca pública.

Bruna Einhardt disse...

Olá Francisco, tenho que fazer um trabalho sobre o prefeito interino Pedro Machado Filho. Sabes algo sobre ele?

Francisco Antônio Vidal disse...

Bruna, trata-se de um vereador que, por ser presidente da diretoria da Câmara em 1982, assumiu a prefeitura de modo interino pois Irajá deixou o cargo para assumir uma candidatura a deputado. O período foi de um ano.
A legislação estipula isso para momentos breves ("interino" significa passageiro, temporário), mas um ano é muito tempo para um vereador trabalhar como prefeito, ou seja, para um legislador se transformar em chefe do Executivo. São funções diferentes demais e precisam de projetos específicos e equipes idôneas.
Como resultado dessa nossa regra, um cidadão que o povo elegeu como vereador hoje é recordado pela história como prefeito, cargo para o qual não teve sequer uma indicação ou designação. Não tenho informação sobre seu desempenho, mas o mais provável é que tenha assumido o posto como o fazia na Câmara, ou seja, como um presidente ou coordenador de medidas administrativas, e não tanto como um líder comunitário (minha visão pessoal).
Assumiu como vereador em 1973 e foi reeleito em 1977. Morreu em fevereiro de 2001.
Se quiseres mais detalhes escreve-me um email (sotovidal@yahoo.com.br)