domingo, 23 de junho de 2013

Pelotenses se manifestam pelo Brasil

Na tarde fria, a multidão saiu da Praça, foi pela Osório até a Bento Gonçalves, e voltou pela Deodoro.
Esta quinta (20-6) a cidade parou para caminhar e gritar por um país melhor. Muitos vieram dos bairros ao centro e voltaram a pé. Temores de que a manifestação se dirigisse ao Legislativo ou ao Forum fizeram que as atividades todas paralisassem à tarde.

Na ida, ante a Escola Cel.Pedro Osório
Nem todos foram à passeata, mas havia 10 ou 12 mil pessoas, e de todos os segmentos, idades e causas. Isso em Pelotas significa uns 4% da população, o que se pode considerar muito para uma saída às ruas, numa tarde fria do meio da semana. Havia alguns perigos, mas as reivindicações eram tão importantes que mereciam o risco.

Não se podia dizer se o movimento pertencia aos moralistas, aos anarquistas, aos artistas, aos intelectuais, aos materialistas, aos humanistas... em 4% da cidade já cabe muita gente, de todas as cores e origens. Cidadãos protestaram em outras cidades da região, em outras regiões do Brasil e até mesmo em outros países houve manifestações de brasileiros.

As paredes são o Facebook dos pobres e dos rebeldes.
Quem tem mais recursos, sabe o que quer e como conseguir.
Não se viu violência nem partidarismos; até mesmo houve quem limpasse pichações (esq.), coisa insólita em protestos públicos, que se caracterizam pela liberdade de ação. Será isto coisa de cidade pequena? Ou de melhor educação?

As frases poderiam ser as mesmas dos cartazes, mas a intenção era conformar uma força grupal, unida e poderosa, com uma ideia coerente, sem marcas de destruição ou sujeira. Com uma ética superior aos revoltados e aos oportunistas.

As seguintes frases foram tomadas das fotos no Facebook, e ilustram a frustração do povo no momento atual.



Temos internet mas não queremos
ser tomados por palhaços.
Saímos do Facebook.
Saímos do Orkut.
Ordem em Progresso.
Por que me calar se eu nasci gritando?
Em Pelotas nem tudo é doce.
Só um beijo pra calar a minha boca.
Não me calarei, vem pra rua tu também.
Fora ideologia, avante democracia.
Se não há justiça para o povo que não haja paz para os políticos.
A voz que engana nossa nação não faz mais efeito sobre a multidão.
Na mudança do presente a gente molda o futuro.
Mais pão menos circo.
Mídia, você não me engana.
Esperem sentados a rendição.
O Brasil tem a maior carga tributária do mundo para financiar a maior corrupção do mundo!
Tirem suas mãos sujas do nosso dinheiro.
Quando seu filho ficar doente leve ele ao E$TADIO (v. foto).
Use sua arma pessoal, o cérebro
A gente muda o mundo na mudança da gente.
Paz sem voz não é paz, é medo.
Quem precisa de cura é este governo doente.
Sou psicóloga, quero curar teu preconceito.
Queremos escolas e hospitais no padrão FIFA.
Direita? Esquerda? Eu quero é ir pra frente.
Desculpe o transtorno, estamos consertando o país.
Há tanta coisa errada que um cartaz é pouco.
É tanto PROBEMA que não cabe aqui! (v. foto)
A gente não quer só R$ 0,15. A gente quer + Saúde  + Educação.
Não é pelos R$0,15. É pelo povo negro.
Dudu R$0,15 é migalha, refas á conta. (v. foto)

"A Princesa acordou". Na verdade, a consciência social desperta devagar, não de uma vez.
Fotos: M. Avila (2, 5), F.Mendonça (3), M.S.Magalhães (4), Nauro Jr (6)

Um comentário:

Nathanael Anasttacio disse...

Impressionante ver esta geração misturando-se às outras e reivindicando mudanças. Participei de manifestações no MASP, aqui em São Paulo e desci e subi a Consolação em meio aos protestos ... sempre fui ativista e creio que sem luta não conseguimos nos expressar e chegar a um país melhor.
A ideia começou aqui em São Paulo e tomou força ... tomara que tome rumo também

Nathanael Anasttacio - SP