sábado, 18 de julho de 2009

Pinturas de Deborah Blank Mirenda

Exposição de Deborah Blank Mirenda na Sala Frederico Trebbi

A artista plástica Deborah Blank Mirenda (esq.) expõe 16 quadros na sala Frederico Trebbi, hall de entrada da Prefeitura de Pelotas (acima), de 1 a 31 de julho.

Natural de Erechim, Deborah reside em Pelotas há muitos anos. Sua formação artística inclui cursos superiores de graduação e pós, em Artes Plásticas, Pedagogia, Orientação Educacional e Arte na Educação.

"Reflexos da Primavera"
Esta é a segunda mostra de 2009 neste espaço administrado pela Secretaria de Cultura, que fez concurso e selecionou os artistas. Até novembro, mais três estão programadas em cada uma das 3 salas de arte municipais.

Esta coleção de Deborah Mirenda traz o título "Ser", alusão à autenticidade e a busca de superar as aparências. Os quadros estão identificados com seu nome (exceto dois), a técnica usada (tinta acrílica) e preço de venda (entre R$ 800 e 1200).

Sobre as cores
Em um texto de divulgação, a artista diz usar as cores com liberdade, sem entrar em detalhes formais:
Aos poucos vão surgindo formas que conduzem o meu sentimento naquele momento. A ideia surge aos poucos, sou muito livre para criar.
Sobre as flores
Em certa fase, após uma operação cirúrgica, Deborah pintou muitas flores, por uma sensibilidade especial com a vida. Nesta exposição elas estão onipresentes.

"Semente"
"Reflexos da primavera" é o título de três quadros representando flores, mas estas reaparecem em "Semente". Simbolicamente, elas podem representar emoções ou visões de partes internas. Em palavras da artista: As flores que represento são diferentes da realidade, pois são como sinto.

Sobre as mulheres
Quando pinta mulheres, Deborah também o faz orientando-se por emoções: Na figura, especialmente o rosto, gosto de exagerar os olhos para dar ênfase à expressão que desejo.

Muitas dessas caras se parecem, mas cada uma tem seu nome e impacta o espectador por um sentido de conjunto, levando-o de uma atitude realista à subjetividade.

Nas duas primeiras fotos deste post (acima), veem-se exemplos desta diferenciação pela subjetividade: na imagem maior, as duas mulheres (mesmas das fotos abaixo) parecem olhar na mesma direção. Somente uma observação cuidadosa, in situ, permite ver diferenças anímicas entre elas. Não está nos detalhes visuais, mas no que o espectador possa sentir ao vê-las de perto.

Como testemunho pessoal, Deborah deixa mensagens simples mas sábias, a modo de orientações existenciais, úteis para um profissional da arte ou para pessoas sem estudos artísticos:

As descobertas entusiasmam a vida. Descubra a arte dentro de você.

Fotos: F.A.Vidal (1, 3-6).


POST DATA

Veja outras pinturas desta artista nos seguintes posts:


10 anos do Corredor Arte: duas mulheres [15-10-10]

Débora e Esther, no Corredor [6-3-12]

A arte desde um olhar geométrico (e natural) [16-4-13]

Um comentário:

Arsvita Anavidal disse...

Adorei os quadros. Verei como encontra-la ou obter algum quadro. Abç