terça-feira, 18 de agosto de 2009

Quem é "infantil"

Anuncia-se, no campus I da UCPel, o 5º Encontro Regional de Educação Infantil, a ser realizado de 24 a 26 de agosto.

O cartaz preside a solidão do recinto (esq.; ontem às 19h), pois a universidade se encontra em férias forçadas - com a suspensão de todas as aulas e aglomerações em ambientes fechados, para prevenir a gripe que ainda não se instalou em Pelotas. A medida vale até sábado 22 de agosto inclusive (veja a resolução da reitoria, do dia 14).

Se não há quem veja este anúncio, virá alguém ao encontro? E, se a gripe impedir as duas coisas, a universidade abrirá o auditório?

O problema linguístico
Além desse paradoxo administrativo, percebi um detalhe estranho na denominação do Encontro:



  • o título mais destacado diz esta barbaridade:
    Encontro Regional de Educadores infantil (dir.),

  • enquanto o título menor (quase invisível), na camiseta do menino, diz corretamente:
    Encontro Regional de Educadores Infantis (abaixo).
Ante o deslize, somente nos resta refletir sobre as possíveis motivações para a incongruência. Como a forma "educadores infantis" oferece dúvidas ao ouvido, houve a fuga para "encontro regional...infantil" (pensando bem, não melhora em nada).

A confusão nasce com o termo "Educação Infantil", que ambiguamente pode significar "educação de crianças" (feita por crianças, ou do modo das crianças) ou "educação para crianças" (feita por adultos). Em português, ambas as educações são "infantis". Como o primeiro sentido teoricamente não é admissível, tem-se o segundo como a única possibilidade real.

Na Educação Artística, alguns professores preferem dizer "Arte-Educação" (expressão copiada do inglês) para evitar a ambiguidade do português. Mas na prática não é preciso nem possível fugir dessas duplicidades, pois o nosso idioma está cheio delas.

Para referir-nos aos profissionais da Educação Infantil, o ouvido hesita de novo: está certo "Educadores Infantis" (serão adultos infantilizados?) ou deveríamos dizer "Infanto-Educadores"?

A lógica é a mesma da expressão original: se a educação infantil é para crianças, os educadores infantis são educadores para crianças.

A dúvida que ainda paira no ar - como o cartaz pendurado - é se o Encontro será cancelado pela preocupada reitoria da UCPel, que se reúne novamente amanhã (20), para decidir se o reinício das aulas é adiado de novo ou não. Se houver mais férias, o Encontro não ocorrerá. Se as atividades forem autorizadas, poucos virão, pelo temor já espalhado pelas próprias autoridades.
Fotos de F. A. Vidal

2 comentários:

Teresinha Brandão disse...

Uma boa reflexão linguística sobre a ambiguidade.
Muito bom texto!

Francisco Antônio Vidal disse...

Nesta quinta, a reitoria prolongou mais uma vez as férias, suspendendo o Encontro, cuja nova data se anunciará depois.