sábado, 28 de novembro de 2009

Árvore natalina e árvore natural

Em todo o centro foram colocadas árvores natalinas artificiais, cerca de uma dúzia, em volta da Praça Osório e ao longo das ruas do calçadão.

A que está na esquina da Félix da Cunha com Princesa Isabel (esq.)sofre um contraste especial por todos os lados, deixando-a reduzida a não significar quase nada.

Olhando-se a nordeste, os enormes e geométricos edifícios a fazem parecer uma pequena representante do reino natural. Nem ela se assume como artificial, nem mostra a importância que deveria ter, em relação ao Natal, à vida e à espiritualidade.

Ante o velho prédio do Quartel Farroupilha, conhecido como Casa da Banha (a noroeste), a mesma árvore parece de um modernismo muito alheio a nossa cultura - sem contar a defasagem da estação. Parece transplantada da Europa, lá onde o pinheiro é valorizado por ser uma árvore que permanece verde, apesar da neve (que não temos aqui).

De fato, na estação central da cidade suíça de Zürich, a empresa de cristais Swarovski coloca uma árvore de verdade, bem maior (15 m de altura), com milhares de ornamentos e pedras preciosas (dir.). Neste caso, sua imponência natural parece deslocada do artificial ambiente.

Olhando-se a sudoeste, perante a abundante vegetação da Praça Osório a mesma nossa "conífera" adquire uma aparência ainda mais falsa, minúscula, estrangeira e anacrônica. A vista é de duas grandes árvores (canafístulas), que mudam de aspecto segundo a época do ano (verão, na foto abaixo). Elas é que deveriam causar nossa admiração e ser enfeitadas, se fosse para significar algo grandioso e eterno.
Fotos de F. A. Vidal (1 e 3)

4 comentários:

Anônimo disse...

Penso exatamente o mesmo: a Praça Cel Pedro Osório, quando enfeitada, é toda ela um espaço maravilhoso, natural e mágico, especialmente para as crianças.
Os "triângulos" laterais à praça, devem ser ocupados, por exemplo, num deles ser edificado um monumento ao livro e à cultura, nossas caracterícas ante o país. Já está em andamento tal projeto, com atraso, uma vez que as cidades brasileiras mais desenvolvidas, já o tem.
Passou da hora de: organizar a poluição sonora (basta!), a pouca educação da população quanto ao lixo (multas), a colocação de placas trilingues a fim de orientar turistas e a comunidade (mais empenho e agilidade), orientação dos taxistas e mototaxistas, com aulas das expressões básicas em, pelo menos três línguas: português (isso mesmo), inglês e espanhol. Tom de voz educado, limpeza dos veículos e não o perfumezinho insuportável que se é obrigado a respirar em alguns deles.
Organizar o trânsito no centro: alguns grupos de visitantes quando param para admirar o centro histórico, esperam vários minutos até a "propaganda" passar, as caçambas da prefeitura, os ônibus, etc. Francamente!!!
Corte firme Sr. Prefeito, alguns setores da prefeitura não disseram ainda a que vieram.
Muitos avanços, mas, para atrairmos turistas (desenvolvimento social e econômico) falta muito. A copa de 2014 está chegando: o que já está sendo programado? Várias reuniões foram feitas, chega de reuniões. Devemos começar a agir. No portal da prefeitura, (sugestão) devem constar o andamento dessas ações e exigir, repito, exigir, a colaboração da comunidade. (Exemplo: várias senhoras passeiam com seus cães, muito bem vestidos, cuidados, etc. Mas, não vi nenhuma com uma sacolinha e pá para recolher os dejetos de seus cães! Que deselegância. Presenciei um deles, fazendo suas necessidades exatamente em frente ao banco, no lugar onde as pessoas põe os pés ao sentar. Em seguida, a elegante senhora afastou-se conversando com a companheira de passeio. Que belo exemplo de falta de educação.
Quem sabe algumas plaquinhas mimosas, espalhadas por vários lugares da cidade, ajudariam a educar essas pessoas.
Att. Prof.ª Loiva Hartmann/Mentora da Jornada Cultural de Pelotas
Na sincera intenção de colaborar,

Francisco Antônio Vidal disse...

O essencial é renovar costumes e criar nova mentalidade nas pessoas. Normas e regulamentos não têm muito efeito no Brasil.
Para a Copa faltam 4 anos e meio. Quais as atitudes dos pelotenses? A maioria está entre a indiferença e a rejeição. Turistas aqui não são bem-vindos pela população. Comecemos por aí, falando dos objetivos e projetos permanentes da comunidade (o prefeito muda; em janeiro de 2013 teremos outro, ou Fetter se reelegerá).

Anônimo disse...

Caríssimo Vidal: esperar eleições?! Não mesmo. Há muita gente com bons salários, nomeados pelo lobby político, e que estão "dormindo em berço esplêndido".
Fetter deve exigir dos partidos que indiquem pessoas competentes para os cargos das "alianças".
Definição perfeita ouvi do prefeito de Uruguaiana, Sanchotene Felice: "conseguimos reverter um processo falimentar, porque minha maioria é do meu partido. Não preciso transigir nem compactuar nada com ninguém. Decido. Então tudo acontece rapidamente".
Pelotas deve dar um basta às indicações e colocar pessoas com conhecimento técnico, atualizadas, nas secretarias.
E, para corrigir estradas, organizar o trânsito e tudo o que o envolve, preparar funcionários (equipes), etc., 4 anos e meio não é nada!
Não consigo imaginar chegar ao sábado sem a leitura desse blog. Estou para lançar o meu, com muita coisa sobre as jornadas culturais de vários lugares do país e daqui, escritores, política (gosto!) etc. Espero conseguir ser suficientemente competente para apresentar seções substanciosas e que provoquem o leitor.
Irei aprimorando o trabalho conforme for instigada. Espero contar com a comunidade, blogueiros, jornalistas.
Abraço fraterno, prof.ª Loiva Hartmann

Manoel Soares Magalhães disse...

Excelente, Vidal, como sempre. Prova evidente da atenção que tens para com a vida cultural da cidade, e, também, olhos atentos às críticas construtivas. Bom domingo.