sexta-feira, 1 de maio de 2009

Memorial dos Prefeitos

Há cerca de duas décadas, a Prefeitura vem reunindo material histórico sobre cada um dos governantes da cidade no período republicano. Ainda há objetos arquivados em gavetas, mas no último governo Bernardo uma parte foi organizada para exposição pública, no segundo piso do Paço Municipal (dir.).

A mostra permanente deverá ampliar-se com o tempo, mas já é de interesse para quem estuda a história política nacional, a vida política pelotense e de seus chefes, muitos deles conhecidos como empresários, intelectuais ou deputados federais.
O material se encontra em mesas e armários, bem protegido por vidros. É possível ver tudo o que está escrito em fichas e documentos, mas sem manuseá-los. Também pode-se fotografar sem restrições, com a dificuldades dos reflexos do flash (abaixo à esq.).
Os nomes históricos
Uma lista geral explica a ordem cronológica dos governantes, dando um panorama desde a época do Império. No entanto, a amostragem em mesas e armários não segue uma ordem lógica, nem há flechas indicativas no recinto.
No tempo da monarquia não havia "prefeitos", mas Presidentes da Câmara. Os registros de seus nomes começam em 1880, com Leopoldo Antunes Maciel, que seria, antes do fim do Império, um dos "barões do charque" (veja o post).
A partir de 1889, no início da República, a modo de chefes municipais houve dois Presidentes da Junta Administrativa: o governante ocupava a chefia dos dois poderes (executivo e legislativo).
Os nomes do Memorial
Dois anos após, apareceu a figura do intendente municipal, equivalente à de prefeito, denominação que foi introduzida a partir de 1933, com a implantação do Estado Novo.
Assim, nosso primeiro "prefeito" (chefe do Executivo que não era também do Legislativo) assume dois anos depois: o médico Gervásio Alves Pereira. Ele e o seguinte intendente foram nomeados pelo Presidente do Estado (RS).
O primeiro intendente eleito, Francisco de Paula Gonçalves Moreira, também médico, assumiu em 1900.
No Estado Novo, ditadura civil de Getúlio Vargas, os governantes ganharam a denominação de prefeitos. Todos foram nomeados, desde 1932 a 1946. O primeiro deles foi Augusto Simões Lopes, que já havia sido intendente eleito, oito anos antes.
O sistema democrático reinstalou-se, voltaram as eleições, mas ficou a denominação de Prefeito. Joaquim Duval (1947-1951) foi o primeiro deste novo período.
O regime militar não alterou maiormente as eleições municipais em Pelotas: Edmar Fetter (1963-1969) seguiu no governo e foi sucedido por Francisco Alves da Fonseca (1969-1972).
O memorial de ex-prefeitos inclui 26 nomes. Nem todos foram pelotenses: houve um jaguarense - José Barbosa Gonçalves, o que promoveu a criação do Colégio São José (veja o post) -, dois porto-alegrenses (Sílvio Barbedo e Mário Meneghetti), Sérgio Abreu da Silveira, que era de Herval do Sul, de Pedro Osório Bernardo de Souza, e o santa-vitoriense "Governaço" Anselmo.
Quanto às titulações ou atividades, a maioria dos governantes são advogados, engenheiros civis e fazendeiros. Também há agrônomos, médicos e economistas. Fetter Júnior é o primeiro administrador de empresas.
O único prefeito do qual não há informações pessoais no Memorial - nem sequer a data de nascimento - é Fernando Marroni. Na sua recente visita ao Prefeito, em abril, foi-lhe novamente solicitado que contribuísse com dados e documentos.
No mesmo piso do Memorial, em ambos os lados do salão de reuniões da Prefeitura, há uma exposição permanente de retratos de todos os ex-prefeitos (foto acima à esq.), desde Gervásio Pereira (dir.; 1891-1893) até Bernardo de Souza (2005-2007). Os que exerceram o cargo mais de uma vez não precisariam ter dois retratos, mas José Anselmo Rodrigues iniciou esse costume, e foi seguido por Bernardo.
Fotos: F. A. Vidal

POST DATA
2014
V. álbum Histórico administrativo da cidade de Pelotas 1891-1987, com imagens cedidas pelo ex-prefeito Adolfo Antônio Fetter Júnior.

4 comentários:

Carmem disse...

Estas informações foram bastante proveitosas, pois no meio de tantos anos fica dificil manter acerov destes dados.
Eu agora estou formulando meu TCC na área de Gestão pela Qualidade e estou dissertando sobre a atuaçaõ do PGQP na Prefeitura e o mais difícil até agora tinha sido os dados históriocos da Prefeitura.
Gostaria de saber se há informações de como este prefeitos a começar de Gervásio Alves Pereira, faziam para atuar. Existiam Prefeituras? Departamentos? Como funcionava?
Obrigada e vocês estão de parabéns!

Francisco Antônio Vidal disse...

Com certeza devia haver seções ou áreas de ação na Prefeitura, mas isso se definiu com os anos, e não há informação disso neste Memorial.
A definição do próprio chefe de governo municipal foi variando. No Império, quem governava a cidade era o presidente do poder legislativo, a Câmara Municipal. Com a República, a função passou para o presidente da Junta Administrativa e logo criou-se a figura do Intendente Municipal (chefe do executivo). Anos depois, o nome mudou para Prefeito.
Para aprofundar a pesquisa, pode-se perguntar ao Secretário de Comunicação (no gabinete do Prefeito); também pode haver documentos no arquivo histórico da Biblioteca Pública.

Anônimo disse...

Volto novamente a pedir ajuda para resgatar a história do Grêmio Esportivo Brasil que em 2011 comemora seu centenário, o clube do povo de Pelotas.

Estou tentando resgatar algumas fotos de ex-presidentes do Brasil de Pelotas. Entre eles em 1934 o prefeito da cidade de Pelotas parece que também foi presidente do XAVANTE, pelo menos o nome é o mesmo nome. Sabem me responder se este acervo ainda existe? Gostaria de conseguir uma foto deste ilustre cidadão.

Grato,
Juliano Freitas
jubafre@msn.com

Francisco Antônio Vidal disse...

No verbete Grêmio Esportivo Brasil, a Wikipédia fornece a seguinte relação de presidentes:
Dario Feijó - 1911
Manoel Ayres Junior - 1912
Marcílio Carvalho - 1913
Torquato Nunes Garcia - 1914
Alberto Gigante - 1915
Manuel Luís da Rocha Osório - 1916 e 1927
Augusto Simões Lopes - 1917
João Zabaleta - 1921
Ildefonso Simões Lopes - 1922
Álvaro Valença Appel - 1922
José Mario Manfrin - 1923
Carlos Giusti - 1924
Vicente Russomano - 1925
Manoel Farias Guimarães - 1926
Luis Leivas Massot - 1928 e 1944
Flávio de Souza - 1929 e 1945
Manoel de Sá Cordeiro - 1930
Júlio de Castilhos - 1931
José Domingos de Assis - 1932
Vicente Russomano - 1933
Sílvio Barbedo - 1934
José Domingos de Assis - 1934, 1935 e 1936
Dario da Silva Tavares - 1937
Benjamin Gonzales - 1937
Frederico Zambrano Siqueira - 1938
Bento Mendes de Freitas - 1939 e 1941
Hipólito Jesus do Amaral Ribeiro - 1940
Pedro Noronha de Mello - 1942
José Gomes Tavares - 1943
José João Bainy - 1946
Paulo Vignolo Silveira - 1947, 1948, 1949 e 1958
Juvenal Dias da Costa - 1950
Adir Cunha - 1951
José Francisco Dias da Costa - 1952
Rafael Iório Brandi - 1953
Clóvis Gotuzzo Russomano - 1954
Frederico Zambrano Siqueira - 1955
Antônio Carapeto Fernandes - 1956, 1960, 1961 e 1962
Clóvis Gotuzzo Russomano - 1957
José Rahal - 1958
Basileu Campello - 1959
Osvaldo Sampaio - 1959
Antônio Ferreira Martins - 1960
Pedro Elba Zabaleta - 1963, 1964, 1965, 1969, 1970 e 1974
Solon Ferreira de Brito - 1966
Orlando Brisolara Azevedo - 1967 e 1968
Francisco Duarte - 1968
Breno Antônio Nunes - 1971
Clóvis Gotuzzo Russomano - 1972
Wanderley Álbio da Silva - 1973 e 1976
Breno Antônio Nunes - 1975
Ivânio B. de Araújo - 1976
Cláudio Milton Cassal de Andréa - 1977
Humberto Zachia Alan - 1978
Clóvis Gotuzzo Russomano - 1979
Selmar dos Santos Pintado - 1980
Wilson Francisco Brito Wasielieski - 1981
Giovanni Mattéa - 1982
Carlos Marino Louzada - 1983
José Delgrande Assis - 1984
Rogério Souza e Silva Moreira - 1985
Manoel Giampaoli da Silva - 1986
José Antônio Zachia Alan - 1987
Delorges Antônio Horta Duarte - 1988
Lélio José Robe - 1989
Ubirajara Pinto Martinez - 1990
Heleno Aires Coelho - 1991, 1992 e 1994
José Carlos Lima Schuch - 1992 e 1993
Cláudio Fabrício Montanelli - 1995, 1996, 1998 e 1999
Claer Augusto Borda - 1997 e 2000
Hamilton Santos - 2001
Érico Ribeiro - 2002, 2005 e 2006
Sylvio Balverdú - 2003
Humberto Santo - 2004 e 2005
Ivânio Branco de Araújo - 2006
Helder Lopes - 2007, 2008, 2009 e 2010
André Araújo - 2010

Com toda certeza foi Augusto Simões Lopes (presidente do clube em 1917) o mesmo que seria intendente de Pelotas em 1924 e prefeito em 1932. Foi ele que cedeu um terreno ao clube para ter seu primeiro estádio, no bairro Simões Lopes (até que em 1943 o atual estádio foi inaugurado).

Outros nomes de políticos surgem na lista acima: Júlio de Castilhos, possivelmente descendente do que havia governado o Rio Grande do Sul em 1891 e 1893. Não foi o mesmo, pois o governador faleceu em 1903.

O nome de Manuel Luís da Rocha Osório é de um general nascido em 1844 e de um político que participou do governo do Estado em 1891. Possivelmente o presidente do Grêmio Esportivo Brasil seria seu filho.